20 de Março de 2008 / às 16:27 / 10 anos atrás

ANÁLISE-Commodities despencam com corrida para fazer dinheiro

Por Pratima Desai

LONDRES, 20 de março (Reuters) - Os preços das commodities tiveram mais uma queda generalizada na quinta-feira, com investidores correndo realizar lucros após uma série de recordes de alta neste ano.

Os preços do ouro atingiram o menor patamar em um mês conforme traders, de olho em um dólar mais firme, embolsaram seus ganhos para pagar as perdas em outros mercados, enquanto o petróleo e metais industriais caíram com as preocupações sobre o panorama da demanda.

O ouro à vista XAU= caiu para 904,65 dólares a onça troy, nível visto pela última vez em 18 de fevereiro, uma queda de mais de 100 dólares desde que o metal atingiu a alta recorde de 1.030,80 dólares na segunda-feira.

Gerentes de fundos disseram que o motivo das vendas nesta semana pode ter sido a decisão do Federal Reserve de redudir a taxa de juros dos Estados Unidos em apenas 0,75 ponto percentual, para 2,25 por cento, ante esperanças de corte de um ponto.

Isso ajudou a impulsionar o dólar, que ganhou quase 3 por cento ante o euro desde terça-feira. A recuperação do dólar depois de baixas recordes em relação ao euro surpreendeu alguns que esperavam níveis acima de 1,60 dólar contra o euro.

A melhora do dólar torna as commodities negociadas nesta moeda mais caras para os que agem em outras moedas. Sua queda neste ano havia sido um dos motivos para a alta nos preços das commodities.

“As pessoas foram muito bem em commodities e podem estar indo mal em outros lugares”, disse Ian Morley, executivo-chefe do Dawnay Day Brokers.

“Não ficaria surpreso se eles estiverem embolsando os lucros e fugindo da cobrança de margens nas bolsas... Os preços no longo prazo podem subir, mas a recente alta tem sido especulativa e ficamos sem fundamentos para explicá-la”.

Alguns investidores estão ainda se recuperando das fortes perdas nos mercados de ações e renda fixa, o que acarretou em uma queda dos rendimentos dos bônus do Tesouro norte-americano com um influxo de dinheiro em busca de segurança, dando outro impulso ao dólar.

ELEMENTO DE SEGURANÇA

Outros que não vêem um fim da instabilidade financeira retornaram seus portfolios para uma posição neutra, o que para muitos significa vender commodities e ficar com dinheiro.

A estrategista Frances Hudson concorda que existe um elemento de segurança na busca por dinheiro, mas acha que as quedas no petróleo e metais industriais têm também a ver com as expectativas de uma desaceleração global liderada pelos EUA.

“Muito está sendo angariado com a desaceleração dos EUA e talvez também seja uma reação a quanto os preços das commodities subiram”, disse ela.

O petróleo CLc1 também atingiu o recorde de 111,80 dólares o barril na segunda-feira e desde então caiu mais de 10 por cento, para menos de 100 dólares o barril, devido a preocupações com a queda da demanda nos EUA, o maior consumidor do mundo.

Os futuros do cobre MCU3 em Londres atingiram o menor patamar em cinco semanas, de 7.648 dólares a tonelada, perda de mais de 13 por cento desde que o metal atingiu o pico de 8.820 dólares em 6 de março.

Reportagem adicional de Nigel Hunt

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below