Lula vai associar pré-sal a nova independência no 7 de setembro

quarta-feira, 20 de agosto de 2008 17:55 BRT
 

Por Natuza Nery

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva usará seu tradicional pronunciamento de 7 de setembro, em cadeia de rádio e TV, para explicar o pré-sal à nação. O objetivo do presidente é associar a descoberta das reservas gigantescas de petróleo a uma nova independência do país.

De acordo com dois interlocutores do presidente, que falaram à Reuters sob condição de anonimato, a fala de Lula será uma grande oportunidade para dividir com a população, sem intermediários, o significado da descoberta do pré-sal.

No ano passado, a Petrobras descobriu uma imensa reserva de petróleo leve na bacia de Santos, em um reservatório que pode estar ligado a outro camada pré-sal e conter bilhões de barris de óleo equivalente (petróleo e gás natural)

Lula não pretende restringir a importância da descoberta ao país. Aos mesmos interlocutores, confidenciou que fará em abril do próximo ano um "megaevento" internacional para lançar os primeiros 20 mil barris produzidos no campo de Tupi, na bacia de Santos. As estimativas só para Tupi são de 5 bilhões a 8 bilhões de barris de óleo equivalente, quase a metade das reservas brasileiras atuais.

Segundo as mesmas fontes, uma do Palácio do Planalto, o presidente já acionou a Marinha e o ministro da Defesa Nelson Jobim para a apresentação que deverá ocorrer em um porta-aviões em alto mar, próximo ao campo de Tupi.

Uma das fontes que esteve com o presidente na última terça-feira disse que Lula avalia que as novas reservas equivalem a "10 Petrobras".

"O presidente está agindo certo, já que esta é mais que a descoberta da década, é a oportunidade histórica que se não for a maior está entre as maiores", afirmou o líder do governo na Câmara, Henrique Fontana (PT-RS).

"O presidente não está exagerando em responder à importância dessas descobertas, mas está escondendo o fato principal de que isso só existe porque o governo Fernando Henrique reestruturou todo o setor de petróleo", disse Luiz Paulo Veloso Lucas (PSDB-ES).