Kassab ironiza e Marta lamenta propaganda em debate

segunda-feira, 20 de outubro de 2008 09:14 BRST
 

SÃO PAULO, 20 de outubro (Reuters) - Os candidatos à prefeitura de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM) e Marta Suplicy (PT), trocaram ironias e ataques às gestões um do outro no debate organizado pela TV Record no domingo, após uma semana repleta de tensão no cenário político paulistano. Ao contrário do último debate, em que a prefeita deu o tom agressivo, neste Kassab também atacou.

A petista pediu desculpas por sua campanha ter exibido uma propaganda que supostamente levantou suspeitas sobre a sexualidade do prefeito-candidato. Ela também voltou a se arrepender, mais de uma vez no programa, sobre a criação de taxas em sua gestão.

Líder nas pesquisas de intenção de voto, Kassab, em tom de ironia, disse entender a autocrítica de Marta e classificou a campanha petista de "maquiavélica" devido à polêmica propaganda que perguntava se ele é casado e tem filhos. Mas também repetiu que seu governo ainda não teve como cumprir tudo o que prometeu.

"Sinto ter molestado o candidato (com a propaganda) e a outras pessoas do meu partido... Foi uma situação bastante constrangedora", disse Marta em referência às críticas que recebeu inclusive de membros do PT. "Eu nunca seria parceira de algo que pudesse gerar uma confusão. Em vez de discutir política, (as pessoas) ficaram num detalhe, que perverteram", defendeu-se.

Kassab, incomodado por uma pessoa na platéia que gritava ofensas relacionadas à suposta insinuação da propaganda, respondeu apenas: "Sou solteiro, sou feliz, sou engenheiro."

Diferentemente do encontro da semana passada na TV Bandeirantes, os dois se cumprimentaram antes do debate, que teve média de 14 pontos de audiência e picos de 20 pontos em São Paulo e é o penúltimo antes da votação do dia 26 de outubro. Na noite de quinta-feira, Kassab e Marta debatem pela última vez na campanha, na TV Globo.

CRISE NAS POLÍCIAS

Além das comparações entre trajetórias políticas e as administrações de Kassab e de Marta na prefeitura, que dominaram a maior parte do programa, os dois falaram sobre a tensão entre as polícias civil e militar do Estado de São Paulo. Na quinta-feira, houve um conflito violento na região da sede do governo paulista por conta de uma manifestação de grevistas da polícia civil.   Continuação...