Alckmin não quer bater em adversários nem entrar em disputas

quinta-feira, 21 de agosto de 2008 16:46 BRT
 

Por Carmen Munari

SÃO PAULO (Reuters) - Ao responder a pressões de dirigentes do PSDB que cobram mudanças em sua campanha à prefeitura de São Paulo, o candidato Geraldo Alckmin afirmou nesta quinta-feira que não pretende bater em adversários ou mesmo disputar paternidade por obras públicas.

"O que tenho ouvido (do partido) é diferente, é um grande engajamento dos companheiros do PSDB na campanha. Não tenho nenhuma razão para sair falando mal dos outros, atacando adversários, esse é um bom começo para perder eleição", disse Alckmin a jornalistas após encontro com empresários da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing (ADVB).

Nesta linha de evitar ataques, Alckmin afirmou acreditar que se "você fala do adversário você está fazendo promoção dele" e chegou mesmo a dizer que "podem falar de mim à vontade, eu não vou falar dos outros, vou falar para o eleitor".

As cobranças do PSDB, feitas nesta semana, são na direção de um partido unido em torno da candidatura Alckmin, de um discurso mais firme e estruturado, ampliação da campanha de rua e maior engajamento do governador José Serra (PSDB).

A pressão foi realizada depois que a pesquisa Ibope divulgada na sexta-feira apontou redução de cinco pontos na preferência do eleitor por Alckmin, que ficou com 26 por cento. Na direção oposta, sua principal adversária, Marta Suplicy (PT), ganhou sete, abrindo uma diferença de 15 pontos sobre o tucano.

"A eleição é em dois turnos, não tenho a menor preocupação com a questão do primeiro turno, nós temos que chegar no segundo turno e chegar bem", reagiu, sem mencionar que para chegar ao segundo turno é preciso ultrapassar o primeiro.

Na campanha de televisão dos candidatos que estreou na quarta-feira, o prefeito Gilberto Kassab (DEM), que disputa com Alckmin o apoio de Serra, disse em seu programa que inaugurou 110 AMAs (Assistências Médicas Ambulatoriais), enquanto Alckmin afirmou também na TV que criou as AMAs junto com Serra, quando ele assumiu a prefeitura em 2004. Dois anos depois, Kassab, seu vice, ganhou o posto.

"Fizemos 23 (AMAs). Ótimo que isso continuou, aumentou, não vejo nenhum problema nem vou disputar paternidade", declarou o tucano.

Também foi na TV que Serra fez sua estréia na campanha ao pedir apoio a Alckmin em um depoimento pré-gravado. Pessoalmente, ele aparecerá "quando puder", disse Alckmin na entrevista.

Em relação à campanha de rua, adiantou que será ampliada em redutos petistas como as zonas leste e sul.