21 de Agosto de 2008 / às 19:29 / 9 anos atrás

Spring Wireless recebe aporte e se prepara para ir à Nasdaq

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - A brasileira Spring Wireless, que desenvolve software para aplicações móveis a grandes empresas, ganhou uma nova composição acionária com um aporte de 63 milhões de dólares.

A companhia, da qual nenhum dos sócios tem mais de 20 por cento, quer manter o controle pulverizado para um passo ainda maior: abrir capital na bolsa eletrônica norte-americana Nasdaq em um período de dois a três anos.

A Spring, criada em 2001, ganhou como sócios a Goldman Sachs e a empresa de venture capital New Enterprise Associates (NEA). A holding Ideiasnet acompanhou a rodada e, juntas, as três aportaram os 63 milhões de dólares no capital.

Por outro lado, a Intel Capital e um fundo que tinha a sueca Ericsson entre as sócias deixaram a empresa.

Além dos sócios que realizaram o aporte, o restante do capital é controlado pela diretoria e parte dos funcionários.

Segundo Marcelo Condé, presidente da Spring Wireless, a idéia é ficar sem a figura de um acionista majoritário. "Optamos por manter uma estrutura parecida com as empresas do Vale do Silício", afirmou.

Por isso, hoje, 100 dos 600 funcionários já têm uma participação no capital e a idéia é ampliar esse número.

De acordo com o executivo, "a abertura de capital está nos nossos planos em dois ou três anos" e a empresa, que desde sua fundação tem uma holding sediada nos Estados Unidos, espera fazê-lo na Nasdaq.

"Os negócios internacionais ganham cada vez mais peso no nosso faturamento e em 2009 já devem representar quase 50 por cento", afirmou Condé à Reuters.

RECEITA 5 VEZES MAIOR

Os recursos serão usados, segundo ele, no aumento da internacionalização e em aquisições.

Com essa estratégia e o crescimento orgânico dos negócios no Brasil, a Spring Wireless espera quintuplicar sua receita, que em 2008 é estimada em 100 milhões de dólares, para 500 milhões de dólares até 2012.

A empresa abriu o primeiro escritório no exterior em 2004, no Chile, quando recebeu aporte da Intel Capital. Hoje já tem outras filiais na França, Bélgica e Rússia, além de ter comprado uma empresa, a Sysgold, com a qual ganhou presença também em Venezuela, Colômbia, México, Miami e Portugal.

"Temos um plano agressivo de colocar um escritório nos Estados Unidos e três na Ásia este ano", afirmou Condé. No continente asiático, ela terá filiais na China e Índia, mas o terceiro país ainda será decidido entre Coréia do Sul e Hong Kong.

As aquisições, de acordo com o executivo, também terão como foco a internacionalização, mas empresas no mercado nacional também estão no foco.

A Spring Wireless atende cerca de 220 companhias de grande porte com sistemas sem fio, entre as quais bancos e companhias de bens de consumo.

Segundo Condé, a receita local "cresce quase 100 por cento ao ano" tanto pelo bom momento da indústria de telefonia móvel no país como pelo fato de as aplicações móveis para empresas ainda representarem um mercado incipiente.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below