BOLSA ÁSIA-Índice sobe com esperança de abrandamento da crise

terça-feira, 21 de outubro de 2008 08:05 BRST
 

Por Kevin Plumberg

HONG KONG, 21 de outubro (Reuters) - Mercados de ações asiáticos registraram valorização nesta terça-feira, impulsionados por sinais de que os esforços de governos para diminuir taxas de empréstimos de curto prazo estão surtindo efeito. Comentários do chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, que deram apoio a mais investimentos estatais para apoiar a economia, também influenciaram os negócios.

Os preços do petróleo tiveram alta com expectativas de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) cortará a produção para elevar os preços, que caíram quase 50 por cento nos últimos três meses, em uma reunião na sexta-feira.

"O movimento do mercado confirma que o pior foi evitado com os planos de resgate por parte dos governos anunciados na última semana", disse Dariusz Kowalczyk, estrategista chefe de investimentos do CFC Seymour, em Hong Kong.

O índice Nikkei .N225, da bolsa de TÓQUIO, teve valorização de 3,3 por cento, recuperando-se em 25 por cento em relação ao forte declínio do último mês.

O índice MSCI que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão .MIAPJ0000PUS subia 0,39 por cento às 7h52 (horário de Brasília). O indicador acumula queda de 18 por cento em outubro e de 50 por cento no ano.

A bolsa de SEUL .KS11 fechou o dia com queda de 0,95 por cento, depois que ceticismo em relação ao plano de resgate do governo arruinou um rali. O mercado doméstico tinha recebido um breve impulso de confiança após o governo ter anunciado um plano de 130 bilhões de dólares no domingo para estabilizar osetor financeiro sul-coreano.

O governo coreano informou nesta terça-feira que está planejando garantir 100 bilhões de dólares em dívidas em moeda estrangeira de 18 bancos, alguns dos quais apresentarão resultados nas próximas semanas.

O índice Hang Seng .HSI, de HONG KONG, registrou queda de 1,84 por cento. As ações do CITIC Pacific, a divisão de Hong Kong de uma das maiores empresas financeiras estatais da China, despencaram 46 por cento depois que a instituição informou perdas relacionadas a câmbio de quase 2 bilhões de dólares.   Continuação...