21 de Outubro de 2008 / às 14:37 / em 9 anos

VALE ainda vê Xstrata como alvo, mas momento não é bom--fonte

Por Denise Luna

RIO DE JANEIRO, 21 de outubro (Reuters) - Apesar de ter dado por encerrado o capítulo Xstrata em abril, a Vale poderia sim voltar a fazer uma nova oferta pela mineradora anglo-suíça, depois da crise ter reduzido o valor de mercado da Xstrata como ocorreu com várias outras companhias, disse uma fonte da Vale que participou das conversas para uma possível união das empresas no início do ano.

O problema, segundo a fonte, é se os acionistas da Xstrata XTA.L iriam aceitar.

"Você vê o valor da Xstrata hoje, está abaixo de 20 bilhões de dólares. Eu acho que seria muito difícil a Vale (VALE5.SA) fazer uma proposta que os acionsitas controladores da Xstrata aceitem", disse a fonte que pediu para não ser identificada.

A Vale recebeu garantia de um pool de bancos no início do ano para uma linha de crédito de aproximadamente 50 bilhões de dólares visando a aquisição da Xstrata, acordo desfeito no início de abril após as conversas entre a Vale e os acionistas do alvo de compra fracassarem.

Além do preço, Vale e Xstrata divergiam sobre os direitos de comercialização dos produtos da empresa resultante. A principal acionista da Xstrata, a trading Glencore, gostaria de manter ou até ampliar os direitos que já possuía.

Em agosto, a Vale (VALE5.SA) captou cerca de 12 bilhões de dólares no mercado, levando a novas especulações de compra.

"Ela está com 12 bilhões no caixa, mas para manter o programa de investimentos que ela tem, e o mercado apertado como está, não acho que é hora de compra, mesmo com preço atrativo", disse o analista Pedro Galdi, da corretora SLW.

Segundo a fonte da Vale no entanto, se a mineradora brasileira e os acionistas da Xstrata chegarem a um acordo, seria uma aquisição positiva para a companhia.

"(A Xstrata) continua sendo uma excelente empresa, seria ótimo para a Vale se a essa altura a gente achasse um preço bom para a Vale e para eles (acionistas da Xstrata) também", avaliou a fonte.

Ele explicou que na época da oferta da Vale a Xstrata valia cerca de 50 bilhões de dólares, "mas chegou perto de US$60 (bilhões) nas negociações", e hoje o valor de mercado da companhia, abatida pela crise como a maioria das mineradoras, estaria "entre 16/17 bilhões de dólares".

"Sem sombra de dúvidas a empresa (Xstrata) vale a pena, não acho que seja impossível, não sei se estamos de novo tendo contato, mas pode ser que a gente tenha aí de novo a oportunidade", disse a fonte ao ser questionada se é possível uma nova oferta.

Segundo ela, apesar do plano de investimentos da Vale para 2009 ter sido anunciado em torno dos 14 bilhões de dólares, um número considerado ousado pelo mercado, a empresa está confiante que a crise é de curto prazo e o setor continuará aquecido.

Já sobre o ajuste para 2009, a fonte disse considerar prematuro qualquer estimativa, "porque ninguém tem a mínima idéia do que vai acontecer ano que vem, em nada, não dá para fazer previsão", concluiu.

Confirmou, no entanto, que algumas empresas japonesas e outras chinesas já teriam aceito o aumento adicional para o minério de ferro este ano.

"Soube que na China algumas empresas estão pagando...no Japão várias já pagaram", afirmou.

Surpresa com os rumores da volta do interesse da Vale pela Xstrata, a analista Juliana Chu, do BES Securities, avaliou que este não seria o melhor momento para a compra.

"A Vale (até) pode fazer esse movimento (de compra de ativos). Se é Xstrata eu não sei, porque pelo que entendo a janela da Xstrata fechou", disse a analista referindo-se ao anúncio da Vale em abril.

Ela ressaltou que o cenário ainda pode ser considerado instável e que este não seria o melhor momento para aquisição.

Para Pedro Galdi, apesar de poder ser um bom negócio, o momento não é oportuno.

"Mesmo com preço atrativo acho que não seria o momento. O Roger (Agnelli, presidente da Vale) disse recentemente que o cenário está muito complicado e admitiu até postergar projetos. É uma questão de bom senso", afirmou, lembrando que se a Xstrata perdeu valor de mercado, a Vale também perdeu.

Por volta das 12h25 (horário de Brasília), as ações preferenciais da Vale subiam 2 por cento, cotadas a 26 reais. Os papéis da empresa perderam quase metade do valor nas últimas semanas.

Em Londres, os papéis da Xstrata subiam 5 por cento por volta do mesmo horário, depois de terem se elevado 10 por cento em momentos anteriores da sessão.

Edição de Marcelo Teixeira

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below