Arrecadação de setembro soma R$56 bi e é recorde para o mês

terça-feira, 21 de outubro de 2008 13:32 BRST
 

BRASÍLIA, 21 de outubro (Reuters) - A arrecadação federal cresceu 8 por cento em setembro na comparação com o mesmo período de 2007 e somou 55,663 bilhões de reais, valor recorde para o mês, mostraram números da Receita Federal nesta terça-feira.

No acumulado do ano, a arrecadação somou 508,813 bilhões de reais, com crescimento de 10 por cento frente ao ano passado em dados corrigidos pela inflação.

"Os indicadores de arrecadação ainda não mostram os efeitos da crise", afirmou a jornalistas o secretário-adjunto da Receita Otacílio Cartaxo a jornalistas. Ele acrescentou que tradicionalmente os dados de arrecadação levam de 3 a 4 meses para refletir desacelerações da economia.

Em nota, a Receita destacou que o desempenho positivo da arrecadação no ano tem refletido uma elevação do recolhimento de tributos que têm como base o lucro das empresas e os ganhos das pessoas físicas sobre a venda de ativos, como o Imposto de Renda e a Contribuição Social Sobre o Lucro.

No ano, a arrecadação do IRPJ cresceu 23 por cento no acumulado do ano e a da CSLL, 27,5 por cento.

Em setembro, o melhor desempenho dos setores financeiro e automobilístico contribuiu para uma elevação de 17 por cento na arrecadação somada do IRPJ e da CSLL, segundo a Receita. Os dados foram inflados, ainda, por uma arrecadação atípica de 655 milhões de reais em Imposto de Renda da Pessoa Física incidente sobre operação de alienação de empresa.

Cartaxo chegou a afirmar que as receitas administradas devem fechar o ano com crescimento de 8 a 9 por cento. Questionado se o governo prevê uma desaceleração na arrecadação --as receitas administradas acumulam até setembro alta de 9,27 por cento--, o secretário se corrigiu e afirmou que a projeção da Receita é de alta de 9 a 10 por cento.

Os dados são corrigidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

(Texto de Isabel Versiani; Edição de Alexandre Caverni)