Mercado vê IPCA acima do teto da meta em 2008

segunda-feira, 21 de julho de 2008 09:34 BRT
 

Por Renato Andrade

SÃO PAULO (Reuters) - O que era uma ameaça agora é uma realidade. Analistas e instituições do mercado financeiro do país acreditam que a inflação este ano vai ultrapassar o teto da meta fixada pelo governo.

O resultado disso será uma campanha de afrouxamento do juro em 2009 mais lenta do que o previamente esperado, mostra pesquisa divulgada nesta segunda-feira.

Depois de duas semanas coladas em 6,5 por cento, as projeções de analistas consultados semanalmente pelo Banco Central para a inflação deste ano romperam o teto da meta, ficando em 6,53 por cento.

A meta definida para 2008 é de 4,5 por cento, com margem de variação de 2 pontos percentuais, para cima ou para baixo, o que coloca o teto da meta em 6,5 por cento.

Se a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) realmente superar o teto da meta, o presidente do Banco Central é obrigado a encaminhar uma carta pública ao ministro da Fazenda explicando as razões pelas quais a inflação saiu do caminho projetado e as ações que o BC pretende tomar para trazer os preços de volta à meta.

Desde que o regime de metas de inflação foi estabelecido no país, em 1999, a meta foi descumprida três vezes, em 2001, 2002 e 2003.

Neste cenário, os analistas reafirmaram as apostas em um aumento da taxa de juro nesta semana. A expectativa é que o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC eleve a taxa Selic em 0,50 ponto percentual, para 12,75 por cento ao ano, ao final da reunião de dois dias que será realizada na terça e quarta-feiras.

Pelos cálculos dos analistas consultados pelo BC, a Selic estará em 14,25 por cento em dezembro.   Continuação...