Superávit comercial do Japão avança com demanda da Ásia e Europa

quarta-feira, 21 de novembro de 2007 07:28 BRST
 

Por Yoko Nishikawa

TÓQUIO (Reuters) - As exportações japonesas atingiram novo recorde em outubro, puxadas pela demanda asiática e européia, mas a queda nas vendas para os Estados Unidos ressaltou as preocupações sobre o efeito de uma desaceleração na maior economia do mundo sobre o crescimento do Japão.

A China deve superar os Estados Unidos como o maior destino das exportações japonesas neste ano pela primeira vez na história moderna, embora muitos bens embarcados para a China e para o resto da Ásia sejam agrupados em produtos que são exportados depois para os Estados Unidos.

"Se a desaceleração da economia dos Estados Unidos se prolongar, a forte demanda na Ásia e das nações emergentes pode não ser suficiente para manter o ritmo das exportações", afirmou Junko Sakuyama, economista do Dai-ichi Life Research Institute.

As exportações japonesas, como um todo, cresceram 13,9 por cento frente ao mesmo período do ano passado para novo patamar recorde de 7,5155 trilhões de ienes (68,5 bilhões de dólares), apesar da valorização da moeda japonesa, mostraram os dados divulgados nesta quarta-feira. Analistas esperavam um aumento de 12,4 por cento das exportações.

As importações avançaram 8,6 por cento, puxadas pela compra de petróleo bruto, o que deixou o Japão com um superávit comercial de 1,0186 trilhão de ienes (9,27 bilhões de dólares), um aumento de 66,1 por cento frente ao mesmo período do ano passado.

As exportações para os Estados Unidos caíram 1,5 por cento frente a outubro de 2006. A queda segue o tombo de 9,3 por cento registrado em setembro, o maior recuo desde novembro de 2003.