Brasil admite elevar valor pago por energia excedente em Itaipu

segunda-feira, 21 de abril de 2008 15:31 BRT
 

SÃO PAULO, 21 de abril (Reuters) - O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, admitiu nesta segunda-feira que, apesar da disposição de manter o Tratado de Itaipu, o governo brasileiro pode concordar com um eventual reajuste dos valores pagos ao Paraguai pela energia a que o país tem direito, mas não utiliza.

Segundo Amorim, em entrevista à Agência Brasil, esse tipo de reajuste já foi feito no passado, diante da defasagam nos preços, e poderá ser repetido.

Em Acra, Gana, onde participa da 12a. Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (Unctad), Amorim afirmou que o Brasil "vai continuar discutindo com o Paraguai como ele pode obter uma remuneração adequada para sua energia. Isso é justo", afirmou o ministro para a Agência Brasil.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, mais cedo, que não pretendia mudar o tratado da usina hidrelétrica construída pelos dois países, em entrevista divulgada pelo Palácio do Planalto.

Também nesta segunda-feira, o presidente eleito do Paraguai, Fernando Lugo, disse em entrevista estar "esperançoso" de conseguir uma renegociação dos preços recebidos do Brasil como forma de ampliar a receita que o seu governo pretende usar no combate à pobreza.

(Texto de Taís Fuoco; Edição de Isabel Versiani)