BOVESPA-À espera de detalhes de plano nos EUA, índice cai

segunda-feira, 22 de setembro de 2008 11:44 BRT
 

SÃO PAULO, 22 de setembro (Reuters) - Após uma esticada de 15,6 por cento nas últimas duas sessões, a Bolsa de Valores de São Paulo operava no vermelho nesta segunda-feira, seguindo a expectativa de Wall Street por detalhes do plano de socorro do governo dos Estados Unidos para contornar a crise financeira.

Às 11h42, o Ibovespa .BVSP assinalava queda de 0,47 por cento, aos 52.805 pontos. O giro financeiro do pregão era de 1,37 bilhão de reais.

De acordo com especialistas, enquanto aguardam detalhes do plano de 700 bilhões de dólares do Tesouro norte-americano para amortecer os efeitos do colapso no setor hipotecário no país, os investidores já olham para a frente tentando calcular o tamanho dos estragos da crise na economia mundial.

"O que tem de bom é um estímulo de curto prazo para por fim ao pânico dos mercados. Mas ainda pode ter algumas surpresas negativas por aparecer. E vai ter uma desaceleração econômica nos Estados Unidos e Europa, com reflexos no mundo todo", disse André Querne, sócio-diretor da Rio Gestão de Recursos.

Na Bolsa de Nova York, o índice Dow Jones .DJI registrava queda de 1,18 por cento, com os investidores ainda preocupados com possíveis entraves para implementação do plano do Tesouro, que precisa ser sancionado pelos congressitas norte-americanos.

Enquanto aguardava detalhes do plano, o mercado repercutia novas notícias do setor financeiro. Pela manhã, o Mitsubishi UFJ Financial, maior banco do Japão, anunciou que planeja comprar até 20 por cento do Morgan Stanley (MS.N: Cotações), como parte de uma aliança global estratégica.

Na Bovespa, as ações de maior liquidez exibiam performances desencontradas. De um lado, o setor de mineração e siderurgia registrava perdas, sob a batuta de Vale VALE5.SA, que caía 1,6 por cento, a 36,26 reais.

De outro, Petrobras (PETR4.SA: Cotações) avançava 0,94 por cento, para 35,30 reais, no encalço do petróleo CLc1, cuja cotação do barril subia 3,4 por cento, para a casa dos 108 dólares.

  Continuação...