Celular pode gerar cerca de R$5 mi em receitas ao Metrô de SP

segunda-feira, 22 de setembro de 2008 14:23 BRT
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - Antes mesmo que os 3,3 milhões de usuários diários dos trens do Metrô de São Paulo possam utilizar seu celular em todas as estações, a rede de telefonia móvel implantada na infra-estrutura da Companhia do Metropolitano começa a gerar receita à empresa.

O regulamento prevê que o pagamento das operadoras pelo uso da infra-estrutura comece em até seis meses do início das transmissões, o que fez com que em maio algumas delas já começassem a pagar.

O processo, lançado no final do ano passado, atraiu as quatro operadoras de telefonia móvel do Estado -- Vivo, Claro, TIM e Nextel -- e mais recentemente a Oi, que se prepara para estrear em outubro no mercado paulista.

Pelo regulamento, no primeiro ano de transmissão cada operadora deve pagar 73,3 mil reais mensais à Companhia do Metropolitano, o que leva a um total de 4,4 milhões de reais em 12 meses.

Os valores, entretanto, são reajustados ano a ano e chegam a 93,3 mil mensais no quinto ano, o equivalente a 5,6 milhões de reais em 12 meses.

O total pode ser ainda maior, caso a "aeiou" (antiga Unicel) se junte ao grupo de operadoras, o que não aconteceu até agora, como explicou José Jacques Yazbek, gerente de negócios da Companhia do Metropolitano.

Por enquanto, o celular já pode ser usado na Linha 4 (Verde) do Metrô, trecho subterrâneo que hoje tem 10,7 quilômetros e passa por toda a extensão da Avenida Paulista.

Nas demais linhas Azul, Vermelha e Lilás, entretanto, que concentram a maior parte da população usuária e 47 estações, ante as 11 da Linha Verde, o serviço só deve estar disponível no final deste ano.   Continuação...