Dólar reage a mercado internacional e sobe 1,18%

sexta-feira, 22 de agosto de 2008 16:32 BRT
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO (Reuters) - A queda do preço das commodities e a valorização do dólar no mercado internacional interromperam a sequência de baixas da moeda norte-americana no Brasil. O dólar terminou o dia a 1,629 real, com alta de 1,18 por cento.

Apesar do avanço nesta sessão, a divisa acumulou queda de 0,61 por cento na semana.

A recuperação do dólar diante do real foi provocada pelo movimento das commodities, afirmou João Medeiros, diretor de câmbio da corretora Pioneer. No final da tarde, o índice Reuters-Jefferies com a cotação das principais matérias-primas exibia baixa de quase 3 por cento.

Segundo Milton Mota, operador de câmbio da corretora SLW, não houve notícias no mercado interno que justificassem a alta da moeda norte-americana. "É mais um ajuste", afirmou.

A queda das commodities anulou o movimento da véspera e deu fôlego à expectativa de uma recuperação do dólar após vários anos de enfraquecimento. Nesta sexta-feira, o megainvestidor Warren Buffett --considerado em março o homem mais rico do mundo pela revista Forbes-- disse que não mantém mais nenhuma aposta na desvalorização do dólar.

"A tendência de alta do dólar (no mercado internacional), em uma visão de prazo mais longo, continua intacta", escreveram em relatório analistas do banco BNP Paribas.

Diante de uma cesta com as principais moedas internacionais, como euro e iene, o dólar caminhava para a maior alta mensal em mais de uma década.

A perspectiva para o Brasil é um pouco diferente, porém, devido principalmente ao patamar do juro, que atrai investidores interessados em operações de arbitragem.

"A tendência efetiva é do retrocesso do preço (do dólar) ao piso de 1,60 real", avaliou Sidnei Nehme, diretor-executivo da NGO Corretora, lembrando que os estrangeiros desmontaram ao longo da semana praticamente toda a aposta que mantinham no mercado futuro a favor da alta do dólar no Brasil.

O Banco Central fez um leilão de compra de dólares na última hora de negócios, com taxa de corte a 1,6255 real. Somente uma das propostas divulgadas foi aceita, segundo um operador de câmbio.