Japão pede reformas e corte drástico de gastos do FMI

segunda-feira, 22 de outubro de 2007 17:11 BRST
 

WASHINGTON, 22 de outubro (Reuters) - O Japão pediu nesta segunda-feira para o Fundo Monetário Internacional (FMI) cortar fortemente seus gastos, priorizando e reduzindo operações secundárias e funcionários para enfrentar a queda em sua lucratividade.

O vice-ministro sênior japonês das Finanças, Otohiko Endo, disse ainda que o FMI poderia ter sido mais ativo alertando sobre a turbulência do mercado global deflagrada pela crise das hipotecas de alto risco (subprime) nos Estados Unidos.

"O FMI precisa perceber que sua credibildade está em risco se ele simplesmente visa uma manutenção de suas operações e funcionários através de salários altos sem cortes de custos", disse Endo em comunicado para o encontro anual do Banco Mundial e do FMI em Washington.

O Japão é o segundo maior acionista do FMI depois dos EUA.

A demanda por empréstimos do FMI caiu nos últimos anos à medida que o crescimento global tem-se mantido forte e crises financeiras têm diminuído, induzindo a uma queda no lucro do organismo internacional.

O fundo está no vermelho desde o ano fiscal de 2007 e espera-se que seu déficit aumente rapidamente.