Outros países do G7 podem seguir medidas dos EUA, diz Canadá

segunda-feira, 22 de setembro de 2008 22:36 BRT
 

OTTAWA (Reuters) - Existem sinais de que países do G7 excluindo os Estados Unicos tomarão ações adicionais para minimizar os efeitos da crise financeira, afirmou nesta segunda-feira o ministro das Finanças canadense, Jim Flaherty.

O Canadá, assim como a maioria dos governos do grupo dos sete países mais industrializados do mundo, até agora respondeu de maneira fria aos esforços do secretário do Tesouro norte-americano, Henry Paulson, para fazer com que outros sigam seus passos e comprem títulos podres relacionados a hipotecas de instituições financeiras atingidas pela crise.

"Existem algumas indicações de que haverá ações adicionais fora dos Estados Unidos... que serão cooperativas com o que o Estados Unidos fizeram", disse ele, se referindo ao comunicado do G7 divulgado mais cedo.

Ele não quis dizer a que países estaria se referindo. "Eu vou deixar para que os ministros das Finanças e presidentes de bancos centrais falem por suas economias", afirmou a repórteres em teleconferência. "Não há segredo para o fato de que os Estados Unidos gostariam que outras juridições copiem a sua conduta, e que é tentar tirar os ativos sem liquidez que estão desestabilizando as instituições financeiras em outros países onde isto ocorre", afirmou ele.

"Este não é o caso do Canadá." Após anunciar a proposta de um pacote de resgate de 700 bilhões de dólares nos Estados Unidos para ajudar a desobstruir o sistema financeiro, Paulson afirmou que está aguardando que outros países sigam na mesma direção.

(Reportagem de Louise Egan)