Siderúrgicas chinesas vão brigar por queda no preço do minério

quarta-feira, 22 de outubro de 2008 13:57 BRST
 

Por Alfred Cang

XANGAI, 22 de outubro (Reuters) - Siderúrgicas chinesas vão buscar a primeira redução desde 2002 nos preços a longo prazo do minério de ferro quando as negociações anuais começarem nesta semana, no momento em que a recessão global e a queda dos preços do aço as forçam a reduzir a produção.

As principais siderúrgicas chinesas, incluindo a líder Baosteel (600019.SS: Cotações), vão se reunir em uma conferência anual realizada pela Associação Chinesa de Ferro e Aço em Qingdao na quinta e sexta-feiras, considerada como um aquecimento para negociações mais formais ainda neste ano.

O triunvirato das principais mineradoras -- Vale (VALE5.SA: Cotações) RIO.N, a australiana BHP Billiton (BHP.AX: Cotações) (BLT.L: Cotações) e a Rio Tinto (RIO.AX: Cotações)(RIO.L: Cotações) -- utilizaram fatores como os elevados preços no mercado spot e o rápido crescimento da capacidade de produção na China para garantir uma quadruplicação dos preços do minério nos últimos cinco anos.

Mas a desaceleração econômica global, junto com uma queda do setor imobiliário do país, prejudicou a demanda interna da China e as exportações. Grandes siderúrgicas reduziram a produção em até 20 por cento, deixando minério de ferro armazenado nos portos chineses e fazendo com que os preços à vista ficassem abaixo dos preços a longo prazo pela primeira vez em muitos anos.

Esse revés deu às siderúrgicas chinesas motivos para esperarem que os preços para os contratos de minério a longo prazo para o ano fiscal a partir de abril de 2009 possam finalmente cair.

"Isso é apenas o que se está pensando. Nenhuma siderúrgica efetivamente pediu isso ainda para as mineradoras", disse uma autoridade da Associação Chinesa de Ferro e Aço à Reuters. "A situação parece nos oferecer uma vantagem, mas qualquer resultado depende da barganha em que estaremos envolvidos".

Mesmo com uma posição fortalecida para negociar, os argumentos chineses ainda devem enfrentar grande resistência das mineradoras, que investiram bilhões em novos projetos para elevar a produção.

As três principais mineradoras fornecem cerca de 70 por cento do minério de ferro que a China compra, dando a elas poder para negociar o preço contra a altamente fragmentada indústria de aço da China, onde as 20 maiores siderúrgicas respodem por apenas metade da produção.

"Temos dito que a China teve vantagens durante vários anos, mas nunca conseguiu um resultado final melhor", disse Jiang Qiu, analista de aço da Guotai Junan Securities em Xangai.

"Na minha opinião, preços de minério de ferro com contrato de longo prazo podem subir de novo no ano que vem, mas não uma alta tão grande", disse ele. "A fragmentada indústria de aço na China é a maior barreira e isso não será resolvido no futuro próximo".