CÂMBIO-Dólar dispara mais de 4% com piora dos mercados globais

quarta-feira, 22 de outubro de 2008 11:21 BRST
 

SÃO PAULO, 22 de outubro (Reuters) - O dólar disparava mais de 4 por cento nesta quarta-feira, acompanhando a piora dos mercados globais com a persistência dos temores de uma recessão.

Às 11h20, a moeda norte-americana BRBY era cotada a 2,344 reais, em alta de 4,74 por cento, após ter chegado a subir cerca de 5 por cento na abertura.

"A gente continua a ter uma percepção ruim em relação à economia, de recessão. Não tem como fugir", considerou Gerson de Nobrega, gerente da tesouraria do Banco Alfa Investimento.

Na Ásia, as bolsas de valores fecharam no menor patamar dos últimos quatro anos, enquanto na Europa a queda superava 4 por cento, assim como no Brasil. Os índices futuros dos mercados dos Estados Unidos também apontavam desvalorização.

Nobrega citou a influência da divulgação dos resultados trimestrais das empresas nos mercados acionários. "Se o resultado não vier dentro do esperado, a gente pode ter uma queda ainda maior."

Além da queda das bolsas ao redor do mundo, a alta de mais de 1 por cento do dólar frente às principais moedas .DXY também influenciava a valorização da divisa norte-americana em relação ao real, segundo o gerente.

No âmbito interno, Nobrega citou que a escassez de crédito é um fator de desestabilização. "O mercado começa a ficar travado, não tem como girar a economia."

Nesse contexto, o governo tem realizado nas últimas semanas uma série de medidas, em uma tentativa de combater os efeitos da crise financeira no Brasil. Uma Medida Provisória publicada nesta quarta-feira autorizou que o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal adquiram participações em outras instituições financeiras do país.

Seguindo a linha de atuações no mercado, o Banco Central ofertará nesta sessão até 500 milhões de dólares em mais um leilão de swap cambial tradicional. As propostas poderão ser enviadas entre 12h45 e 13h e o resultado será divulgado a partir das 13h15.

A autoridade monetária ainda divulgará, a partir das 12h30, novos dados do fluxo cambial, referentes à última semana.

(Reportagem de Jenifer Corrêa; Edição de Vanessa Stelzer)