Remessas pressionam contas externas em setembro

segunda-feira, 22 de outubro de 2007 13:53 BRST
 

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - O Brasil registrou uma forte redução no superávit de suas transações correntes com o resto do mundo em setembro, mês em que as remessas de lucros e dividendos feitas pelas empresas foram recordes para o período, mostraram dados do Banco Central nesta segunda-feira.

Para outubro, a expectativa da autoridade monetária é que o país volte a ter déficit em suas contas externas.

O superávit das transações correntes foi de 471 milhões de dólares no mês passado, frente a um saldo positivo de 2,250 bilhões de dólares em setembro de 2006 e ante uma projeção de 1,3 bilhão de dólares feita pelo BC há um mês.

"O resultado (abaixo do esperado) reflete fundamentalmente o comportamento das remessas de lucros e dividendos", afirmou o chefe do Departamento Econômico, Altamir Lopes, a jornalistas.

As remessas líquidas somaram 1,686 bilhão de dólares no mês passado, maior volume para setembro na série histórica, iniciada em 1947. Em setembro de 2006, as remessas foram de 864 milhões de dólares.

Segundo Lopes, esse crescimento --que já tem se verificado há alguns meses-- reflete a elevação do estoque de investimentos estrangeiros diretos no país e a valorização do real frente ao dólar.

O investimento estrangeiro somou 1,537 bilhão de dólares em setembro, contra 1,752 bilhão de dólares no mesmo período de 2006. Apesar do recuo, no ano o investimento estrangeiro já acumula 28 bilhões de dólares, bem acima dos 11,9 bilhões de dólares registrado no mesmo período de 2006.

O BC prevê que os investimentos somem 3,3 bilhões de dólares este mês e fechem o ano em valor recorde.   Continuação...