Para Correa, briga entre Equador e Colômbia pode se agravar

sábado, 22 de março de 2008 13:52 BRT
 

QUITO (Reuters) - O presidente do Equador, Rafael Correa, afirmou que a disputa com a Colômbia pode se agravar se for comprovado que um cidadão de seu país morreu na operação militar colombiana que matou um líder guerrilheiro das Farc.

O caso ameaça atrasar o restabelecimento das relações entre os dois países, numa crescente disputa que incluiu a ruptura dos laços formais devido à incursão de forças equatorianas em jurisdição equatoriana.

"No caso de se verificar que há um equatoriano morto, isso seria extremamente grave", disse Correa em programa semanal de rádio, sem entrar em detalhes sobre as medidas que tomará se a morte for comprovada.

A operação ilegal das forças colombianas provocou a morte de mais de 20 pessoas, incluindo o segundo homem das Farc, Raúl Reyes.

O cadáver de Reyes foi retirado pelas forças armadas colombianas junto com o de outra pessoa, não identificada. Uma família equatoriana afirma que os restos correspondem a Franklin Aizalia. Correa ordenou uma investigação para comprovar ou descartar esta versão.

O líder nacionalista aseegurou que, se for comprovada a morte de Aizalia pelas forças regulares do país vizinho, será colocada em prática uma cruzada diplomática, porque "não deixaremos esse assassinato impune".

A incursão colombiana em território equatoriano desatou uma crise regional.