VALE acerta alta de 65% em minério vendido a chineses

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008 08:01 BRT
 

Por Alfred Cang e Lucy Hornby

XANGAI/PEQUIM (Reuters) - O grupo Baosteel concordou em nome de siderúrgicas chinesas pagar 65 por cento mais por minério de ferro fornecido pela Vale e 71 por cento mais pelo minério de maior qualidade de Carajás, informou a fabricante de aço chinesa nesta sexta-feira.

O acordo coloca pressão sobre as mineradoras australianas Rio Tinto e BHP Billiton para concluírem acordo similar com seus clientes asiáticos, apesar de ainda insistirem em reajustes maiores.

Siderúrgicas do Japão, Coréia do Sul, Alemanha e da Itália já concordaram com a Vale em pagar 65 por cento mais pelo minério vindo de Itabira ou Sistema Sul a partir de 1o de abril.

"Não estou surpreso. Da perspectiva dos chineses, não é um resultado insatisfatório", disse o analista do Macquarie Henry Liu.

"A maior parte das siderúrgicas estava mais preocupada em saber se a China teria que acabar pagando mais para os australianos."

As siderúrgicas asiáticas pagarão 71 por cento mais e a alemã ThyssenKrupp e a italiana Ilva 66 por cento mais pelo minério de Carajás, o que efetivamente remove o desconto que a Vale chegou a conceder a clientes asiáticos, para compensar as longas distâncias de envio da commodity.

A Rio Tinto, que vinha agressivamente pressionando para obter um reajuste maior por seu minério por causa dos custos menores de transporte para a Ásia, afirmou que seu produto tem qualidade similar ao de Carajás e por isso merece um aumento similar.

"Acreditamos que o produto de Pilbara está mais próximo (em qualidade) de Carajás do que de Itabira", disse o diretor da Rio Tinto para a China, Anthony Loo, a jornalistas esta semana.   Continuação...