JURO-Alta do petróleo ainda pressiona cenário e taxas sobem

sexta-feira, 23 de maio de 2008 16:12 BRT
 

SÃO PAULO, 23 de maio (Reuters) - Em um pregão de volume reduzido de negócios, as projeções de juros na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) continuaram refletindo a preocupação global com a inflação alimentada pelos recordes do petróleo.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) janeiro de 2009 subiu de 13,15 por cento ao ano no fechamento de quarta-feira para 13,16 por cento. O DI janeiro de 2010 avançou de 14,35 para 14,39 por cento.

"O principal temor agora é o impacto da alta dos preços das commodities, que se refletirá na inflação como um todo. A expectativa para os índices de preços domésticos estão espelhando essa preocupação", apontou em relatório Vladimir Caramaschi, economista-chefe da Fator Corretora.

Nesta sessão, o petróleo voltou a fechar em alta em Nova York. Na véspera, o barril chegou a romper a marca dos 135 dólares mas depois arrefeceu um pouco.

Nesta manhã, algumas projeções de juros abriram a sessão com ligeira baixa, corrigindo parte do movimento recente de alta.

Investidores também acompanharam mais notícias sobre o fundo soberano do Brasil. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, negou informação da mídia local de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria decidido suspender o lançamento do fundo e disse que sua elaboração conceitual está em estágio final.

No mercado aberto, o Banco Central recolheu 16,660 bilhões de reais até segunda-feira, com remuneração proporcional de 11,65 por cento ao ano.

(Por Vanessa Stelzer; Edição de Daniela Machado)