Ações na Ásia se estabilizam após seis sessões de queda

sexta-feira, 23 de novembro de 2007 08:01 BRST
 

Por Ian Chua

HONG KONG (Reuters) - O euro registrou novo recorde de alta nesta sexta-feira frente ao dólar, puxado mais uma vez pelas preocupações sobre a economia dos Estados Unidos, mas as ações nos mercados asiáticos ficaram praticamente estáveis numa sessão de poucos negócios, depois de seis quedas diárias consecutivas.

A moeda européia, que se valorizou em 13 por cento neste ano frente ao dólar, testou o importante nível psicológico de 1,50 dólar. O movimento manteve o preço do petróleo muito próximo do valor de 100 dólares por barril, o que, por seu lado, ajudou a elevar a cotação do ouro.

Os negócios foram poucos e fracos, por conta dos feriados no Japão e nos Estados Unidos, na véspera.

Por volta das 7h50 (horário de Brasília), o índice MSCI subia 0,37 por cento, para 507 pontos, depois de ter caído nas últimas seis sessões.

"Na última semana, o volume de queda no mercado foi muito, muito expressivo... portanto, se as pessoas se ajeitarem, isso resultará em uma alta nos mercados. Eu acho que tem um pouco disso hoje", afirmou Tim Rocks, estrategista de ativos para a região da Macquarie Securities.

O índice MSCI desvalorizou 14 por cento desde 1o de novembro até agora, mas ainda assim acumula alta de 27 por cento no ano.

Entre os mercados acionários asiáticos, a bolsa de Hong Kong fechou em alta de 2,06 por cento, para 26.541 pontos, enquanto que o índice Straits Times da bolsa de Cingapura teve uma discreta alta de 0,39 por cento.

Na Austrália, o mercado teve uma leve queda de 0,06 por cento, para 6.330 pontos. Na Coréia do Sul, a bolsa de Seul não conseguiu sustentar o movimento de alta registrado no início da sessão, encerrando em queda de 1,45 por cento, para 1.772 pontos.   Continuação...

 
<p>As bolsas de valores da &Aacute;sia ca&iacute;ram pelo sexto preg&atilde;o consecutivo nesta quinta-feira, mas ficaram distantes de n&iacute;veis m&iacute;nimos depois que o d&oacute;lar operou em alta e os pre&ccedil;os do petr&oacute;leo recuaram de recorde pr&oacute;ximo dos 100 d&oacute;lares por barril. Photo by China Daily</p>