Unasul nasce mas Colômbia não apóia Conselho de Defesa

sexta-feira, 23 de maio de 2008 19:19 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - Com a assinatura de 12 países, foi oficialmente constituída nesta sexta-feira a União das Nações Sul-Americanas (Unasul), mas o Conselho de Defesa, proposto pelo Brasil, não obteve o apoio da Colômbia, que deseja a condenação das Farc como grupo terrorista.

Uribe não aceita que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) sejam tratadas como um grupo beligerante, como faz a Venezuela, ou que não sejam consideradas terroristas por outros países do continente, entre eles o Brasil.

Questionado se a classificação das Farc como terrorista seria a condição para a Colômbia aderir ao Conselho de Defesa Sul-Americano, respondeu que esse é um ponto para reflexão.

"A União Sul-Americana deve ajudar também para que a maior consolidação democrática elimine qualquer risco de governos extremos", disse Uribe, após encontro bilateral com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A idéia de um Conselho de Defesa partiu do Brasil, e o ministro da Defesa, Nelson Jobim, fez um périplo por vários países em defesa da idéia. Apesar da recusa da Colômbia, os demais países da Unasul criaram um grupo de trabalho para finalizar em 90 dias o desenho do conselho, anunciou a presidente do Chile, Michelle Bachelet, em entrevista coletiva após a reunião de cúpula entre os presidentes.

"A decisão política de 11 países para criar o conselho está tomada", disse o ministro Jobim, procurando minimizar a falta de apoio da Colômbia.

TABULEIRO DO PODER

Apesar dos atritos regionais, que colocam em dúvida os esforços de integração, os países da América do Sul criaram um ambicioso organismo internacional para levar adiante sua união política e econômica.   Continuação...