Fazenda e Tesouro negam IOF maior para estrangeiros

quarta-feira, 23 de abril de 2008 19:25 BRT
 

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o Tesouro Nacional negaram nesta quarta-feira que o governo pretenda elevar o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre investimentos estrangeiros em renda fixa.

"Não tem nenhum estudo de IOF", disse Mantega à Reuters. "E também não é atribuição do CMN, IOF é atribuição do Ministério da Fazenda."

Nos últimos dias, especulações sobre o tema fizeram o mercado de câmbio e o de juros futuros operar com cautela pelo receio de que o Conselho Monetário Nacional (CMN) pudesse tomar alguma decisão nesse sentido na reunião desta semana.

Mais cedo, o secretário-adjunto do Tesouro Paulo Valle disse que "não há nenhum estudo no sentido de criar um novo imposto ou de elevar o IOF para os estrangeiros".

Em março, o governo passou a taxar com alíquota de 1,5 por cento de IOF os investimentos feitos por não-residentes em títulos de renda fixa para estancar a entrada de capital de curto prazo.

O efeito dessa medida, porém, foi limitado e o dólar tem sido cotado no menor nível desde maio de 1999, pouco acima de 1,65 real.

"Salvo uma mexida absurda, algo realmente fora da curva, não vai (influenciar o câmbio)", avaliou Jorge Knauer, gerente de câmbio do banco Prosper, no Rio de Janeiro.

Alexandre Lintz, estrategista-chefe do BNP Paribas no Brasil, tem opinião parecida. "Como a tributação pelo IOF implementada neste ano teve muito mais um impacto negativo sobre os custos de captação do Tesouro do que sobre a taxa de câmbio, é racional não esperar medidas adicionais sobre o IOF."   Continuação...