PANORAMA2-Mercado encontra fôlego em balanços corporativos

terça-feira, 23 de outubro de 2007 18:23 BRST
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 23 de outubro (Reuters) - A falta de indicadores de peso nesta terça-feira deu força aos balanços corporativos, que protagonizaram um dia de redução da aversão ao risco e de recuperação das bolsas de valores internacionais.

O otimismo externo repercutiu no mercado brasileiro, com alta de mais de 2 por cento da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e dólar novamente abaixo de 1,80 real.

Os mercados globais se mostravam apreensivos nas últimas sessões com os resultados das empresas no terceiro trimestre. De acordo com o Reuters Estimates, a previsão de crescimento dos lucros no período é de apenas 1,8 por cento --menor taxa em cerca de cinco anos.

Mas a Apple (AAPL.O: Cotações), empresa de tecnologia que fabrica o iPod e o iPhone, revelou um forte aumento dos ganhos no trimestre passado, impulsionando as ações em Nova York e no resto do mundo. A American Express (AXP.N: Cotações) e a DuPont (DD.N: Cotações), do setor químico, também surpreendeam o mercado positivamente.

"O panorama de lucros de modo geral parece positivo o bastante para limitar qualquer correção no mercado", disse Jim Awad, chairman do W.P. Stewart, em Nova York.

As ações de tecnologia receberam impulso adicional após a notícia de que a Research in Motion RIMM.O, fabricante do BlackBerry, fechou um acordo para a distribuição dos aparelhos na China. O índice Nasdaq, que reúne ações de tecnologia, teve alta de mais de 1 por cento.

O mercado de petróleo voltou a dar trégua, e o barril da commodity em Nova York cedeu para o patamar de 85 dólares. Na sexta-feira, o petróleo atingiu o recorde histórico de mais de 90 dólares por barril.

No Brasil, o Tesouro Nacional informou que a dívida pública mobiliária federal interna subiu em setembro para 1,2 trilhão de reais, um aumento de 0,99 por cento frente a agosto. A parcela da dívida prefixada --considerada mais adequada para o gerenciamento da dívida-- caiu para 36,84 por cento, contra 36,43 por cento em agosto.   Continuação...