Quatro grupos e Eletronorte disputarão usina no rio Madeira

sexta-feira, 23 de novembro de 2007 21:17 BRST
 

Por Renata de Freitas

SÃO PAULO (Reuters) - A estatal Eletronorte inscreveu-se isoladamente à disputa pela concessão da usina de Santo Antônio, que será construída no rio Madeira, em Rondônia, um projeto de 9,5 bilhões de reais, prioritário dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Outros quatro grupos, incluindo empresas estrangeiras e grandes construtoras brasileiras, confirmaram interesse no leilão, marcado para 10 de dezembro.

A Eletronorte, da holding Eletrobrás, chegou a negociar com o consórcio liderado pela empresa de engenharia Alusa, mas "não houve acordo", como contou à Reuters José Reis, presidente do Conselho da EuroVentures, consultoria que atuou na formação desse grupo de investidores.

Além da Alupar Investimentos, representando a Alusa, com 37,5 por cento do consórcio "Norte Energia", participam a Schahin Holding (27,5 por cento), a argentina Impsa-Indústrias Metalúrgicas Pescarmona (15 por cento), a Schahin Engenharia (10 por cento) e a UTC Engenharia (10 por cento).

Na avaliação de Reis, apesar da ausência de uma estatal no consórcio, os grupos têm condições iguais de competir pelo projeto, que terá capacidade de 3.150 Megawatts (MW). O complexo hidrelétrico do Madeira, que vai garantir energia para o país a partir da próxima década, será complementado pelo leilão da usina de Jirau, com 3.300 MW, previsto para início de 2008.

"Os consórcios são todos fortes, nenhum tem alguma vantagem neste momento", afirmou o executivo. Na opinião do consultor, qualquer que seja o vencedor, vai recorrer à linha de financiamento de até 75 por cento do valor da obra anunciada pelo BNDES.

A composição dos consórcios, divulgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) nesta sexta-feira, ao fim do prazo de dois dias para inscrições, pode ser alterada após a assinatura do contrato de concessão, de acordo com o edital de licitação.

OFERTA DE AÇÕES

Reis explicou que o consórcio "Norte Energia", por exemplo, terá que ser reformatado, em caso de vitória, por causa da limitação prevista em edital de participação máxima de 20 por cento a fornecedores e construtoras.   Continuação...