CONSOLIDA-Paulson e Bernanke pressionam por aprovação de plano

terça-feira, 23 de setembro de 2008 15:39 BRT
 

Por Jason Szep

NOVA YORK, 23 de setembro (Reuters) - Os arquitetos do plano de ajuda de 700 bilhões de dólares para instituições financeiras norte-americanas pediram ao Congresso dos Estados Unidos a tomada de ações rápidas sob risco duras consequências econômicas. Enquanto isso, a maior corretora japonesa concordou em comprar a filial européia do Lehman Brothers, no mais novo passo da dramática transformação da indústria financeira.

O chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, e o secretário do Tesouro, Henry Paulson, afirmaram que a melhor chance para estabilizar os mercados das fortes tensões é o governo comprar as centenas de bilhões de dólares de títulos podres vinculados a hipotecas.

"A ação do Congresso é urgentemente requerida para estabilizar a situação e evitar o que pode, de outra forma, ter sérias consequências para os nossos mercados financeiros e nossa economia", afirmou Bernanke no Comitê Bancário do Senado sem informar quais seriam as consequências.

Ele afirmou que os mercados financeiros globais "continuam sob forte estresse".

Paulson, por sua vez, afirmou que as turbulências dos mercados já estão se espalhando para a economia mais ampla. "Nós precisamos agora tomar novas ações que vão além, precisamos agir de forma decisiva para tratarmos de forma fundamental e compreensiva a raíz da causa desta turbulência", disse ele.

Democratas, que controlam ambas as câmaras do Congresso norte-americano, pressionaram do outro lado. O chairman do comitê bancário do Senado, Christopher Dodd, afirmou que os parlamentares precisam limitar os pagamentos do executivo para empresas que descarreguem ativos podres no governo sob risco de provocar a ira dos eleitores.

O plano de ajuda, afirmou ele, é "atordoante e sem precedentes em seu alcance e falta de detalhes".

Mais tarde, ele afirmou que o projeto apresentado pelo Tesouro "não é aceitável" na forma atual e precisa de mudanças.   Continuação...