China espera expansão de pelo menos 11% em 2007 e 2008--jornal

terça-feira, 23 de outubro de 2007 10:03 BRST
 

PEQUIM (Reuters) - A economia da China deve registrar crescimento de 11,5 por cento em 2007, maior resultado desde 1994, em meio à força das exportações, do investimento e do consumo, afirmou um economista do governo em um jornal oficial nesta terça-feira.

O ritmo deve ser sustentado ao longo da primeira metade de 2008 por conta do investimento frenético às vésperas dos Jogos Olímpicos de agosto, disse Wang Xiaoguang, economista-sênior do Instituto de Pesquisa Macroeconômica, órgão subordinado à Comissão de Desenvolvimento Nacional e Reforma.

E, ainda que a economia vá perder força na segunda metade do ano, o crescimento em 2008 será de pelo menos 11 por cento, escreveu Wang ao China Securities Journal.

A inflação ao consumidor será em média de 4,3 por cento em 2007, acima dos 4,1 por cento dos primeiros nove meses do ano e bem acima da meta oficial de 3 por cento, acrescentou.

Mas a inflação vai desacelerar para 3,5 por cento no próximo ano devido ao aumento da oferta de alimentos, especialmente suínos, principal razão para a alta deste ano da inflação, afirmou Wang.

Graças às medidas que as autoridades têm tomado para conter as exportações, incluindo reduções no abatimento de impostos sobre valor agregado, o crescimento do superávit comercial deve desacelerar, complementou.

O saldo positivo deve atingir 257 bilhões de dólares neste ano, cerca de 45 por cento a mais do que os 177,5 bilhões de dólares de 2006. Em 2008, o saldo deve crescer 20 por cento, para 308,4 bilhões de dólares.

O economista disse que a China ainda enfrenta problemas, como o excesso de liquidez e o crescimento rápido do investimento e do crédito, e precisa ser cuidadosa para evitar que a economia sofra um superaquecimento.

Para sustentar o crescimento sólido e duradouro, Wang disse que o governo deve manter a política de aperto monetário com frequentes e pequenas elevações das taxas de juros.

(Por Eadie Chen)

 
<p>Um trabalhador conta tijolos em f&aacute;brica na periferia de Nanjing. A economia da China deve registrar crescimento de 11,5 por cento em 2007, maior resultado desde 1994, em meio &agrave; for&ccedil;a das exporta&ccedil;&otilde;es, do investimento e do consumo, afirmou um economista do governo em um jornal oficial. Photo by Sean Yong</p>