Cosipa lidera emissões de CO2 em São Paulo, diz governo

quarta-feira, 23 de abril de 2008 18:16 BRT
 

Por Cláudia Fontoura

SÃO PAULO, 23 de abril (Reuters) - A Companhia Siderúrgica Paulista (Cosipa) é a primeira da lista das cem maiores empresas emissoras de gases geradores de efeito estufa do Estado de São Paulo, divulgada nesta quarta-feira pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente. O levantamento foi apresentado pelo secretário Francisco Graziano Neto, durante reunião do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema), na sede da secretaria em São Paulo.

A siderúrgica é responsável pela emissão de 6,35 milhões de toneladas de CO2 (dióxido de carbono de origem fóssil) por ano. As refinarias Replan, Revap e RPBC, do grupo Petrobras, aparecem na sequência. A Replan, que produz diversos derivados do petróleo, emite, segundo dados da secretaria, 3,12 milhões toneladas de CO2 por ano.

A Petroquímica União (PqU) é a quinta colocada com 1,46 milhão de toneladas do gás por ano. As primeiras oito colocadas no ranking respondem por 18,26 milhões de toneladas por ano, ou 63 por cento do total.

Em nota divulgada no final da tarde, a Cosipa afirmou que "mundialmente, o processo siderúrgico gera emissão de CO2 e as indústrias vêm trabalhando para otimizar a sua matriz energética". A Cosipa disse ainda que "tem atuado pró-ativamente no controle e redução das emissões" e que investiu 336 milhões de dólares, nos últimos dez anos, em gestão e equipamentos de controle ambiental.

Procurada pela Reuters, a assessoria de imprensa da Petrobras afirmou "que a empresa ainda não tomou conhecimento de todas as informações contidas no relatório e vai se pronunciar assim que possível". E a PqU não quis se pronunciar imediatamente.

Para realização do levantamento foram selecionadas 371 empresas com maior potencial de emissão do gás. Destas 329 responderam voluntariamente a uma avaliação aplicada pela secretaria a partir de critérios do Intergovernamental Panel on Climate Change (IPCC), considerando o consumo de combustível e a produção industrial informados pela empresa.

A proposta de realização do inventário surgiu por sugestão do ex-secretário de Meio Ambiente José Goldemberg. "A lista não é um instrumento de punição, mas dá condições de engajar a Cetesb em negociações com esses emissores para acordos voluntários", disse Goldemberg nesta manhã.

Nelson Reis, representante da Federação da Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), declarou que o setor tem sido proativo na questão das mudanças climáticas.   Continuação...