Governo quer explorar capital político de cada ministro

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008 16:15 BRST
 

BRASÍLIA (Reuters) - Depois de perder a votação da CPMF no Senado, no fim de 2007, o governo quer que os ministros utilizem o seu capital político junto aos parlamentares para assegurar que a base aliada no Congresso efetivamente funcione.

Essa foi a principal decisão da reunião ministerial desta quarta-feira, segundo relato do ministro das Relações Institucionais, José Múcio.

"Temos 53 senadores e precisamos administrar isso. Temos maioria para aprovar qualquer PEC", afirmou Múcio, deixando claro que a derrota do governo na CPMF se deveu ao descuido do governo na sua relação com a base de apoio.

"Na Câmara, tivemos duas vitórias fantásticas. No Senado, se deu um embate político. A coisa foi fulanizada, houve descaso em coisas importantes", disse Múcio, ainda referindo-se à votação da CPMF.

Para garantir o apoio mais firme dos partidos que integram a base aliada, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer o engajamento dos ministros.

"Esse foi um tema importante da reunião para que nós organizássemos mais o potencial político da cada ministro. O governo é resultado da coalizão de 14 partidos. Precisamos exatamente de troca de informação para que o governo atue politicamente como somatório do potencial de cada ministério", disse Múcio.

A questão política, como proposto por Lula, foi a tônica da reunião. Falaram 18 ministros e a síntese foi aprimorar o relacionamento político com o Congresso e fortalecer a relação com as lideranças.

José Múcio disse que cada ministério tem que fazer a sua parte, atender mais parlamentares, mas a avaliação geral é de que falta uma troca maior de informações.

"Às vezes, um parlamentar não está sendo atendido em um ministério, mas está sendo atendido em outro", disse Múcio, que passará a centralizar as informações. "Os ministérios nos informam os seus contatos, assim como informamos no que cada parlamentar já foi atendido."   Continuação...