BOLSA EUA-Wall Street cai com preocupações sobre a economia

sexta-feira, 24 de outubro de 2008 19:24 BRST
 

(Texto atualizado com mais informações e comentários de analistas)

Por Kristina Cooke

NOVA YORK, 24 de outubro (Reuters) - As bolsas norte-americanas fecharam em queda nesta sexta-feira em um movimento generalizado de vendas, com os investidores querendo fugir das ações em meio a temores de que a desaceleração econômica possa ser pior do que a esperada e com a piora nas perspectivas de lucros das empresas.

O índice Dow Jones .DJI teve queda de 3,59 por cento, a 8.378 pontos. O S&P 500 .SPX apresentou desvalorização de 3,45 por cento, em 876.77 pontos. O índice Nasdaq .IXIC de empresas de tecnologia recuou 3,23 por cento, para 1.552 pontos, menor valor intradia desde maio de 2003.

Apesar disso, a sessão não foi tão ruim quanto muitos temiam, embora as bolsas tenham registrado os menores índices em cinco anos e meio. Na madrugada, o movimento de vendas foi tão violento que os índices de futuros foram congelados até a abertura do pregão.

Os mercados acionários despencaram em todo o globo nesta sexta-feira. O índice mundial de bolsas MSCI .MIWD00000PUS despencou 5 por cento com mais evidências de uma forte desaceleração na Europa e uma série de alertas sobre lucros em todo mundo.

Liquidações forçadas por hedge funds e mutual funds para levantar dinheiro para atender os grandes pedidos de investidores tornaram as perdas ainda maiores, afirmaram analistas.

Companhias energéricas com a Chevron (CVX.N: Cotações) também caíram com preço do petróleo CLc1 perdendo 3,69 dólares para fechar a 64,15 dólares por barril, com apostas de que uma desaceleração da economia global cortará a demanda por combustíveis, apesar da decisão da Opep de reduzir a sua produção.

"Tem sido uma semana turbulenta. Ainda tem muito temor lá fora sobre se tem mais espaço para cair, se já estamos vendo as mínimas", afirmou John O'Brien, vice-presidente sênior da MMK Partners LLC. "Muitos gerenciadores, eu acho, têm vendido posições para ter dinheiro em mãos. Isto é definitivamente um fator."

"Os mercados estrangeiros apresentram péssimas aberturas --mas nós somos geralmente o cachorro que balança o rabo e não o contrário."