EUA não têm razão para "otimismo" sobre Cuba, diz Gutiérrez

domingo, 24 de fevereiro de 2008 22:39 BRT
 

WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos não têm razão para sentir "otimismo" pelas mudanças em Cuba após Raúl Castro assumir a Presidência da ilha caribenha, informou no domingo uma autoridade norte-americana de alto escalão.

Raúl Castro foi apontado pelo Parlamento como sucessor de seu irmão Fidel, 81 anos, que renunciou nesta semana depois de quase meio século no poder. Para Washington, a mudança significa a continuação de um regime repressor.

"Se olhar para a natureza das pessoas no poder, esta é a velha guarda, é a linha dura e não há nenhuma razão para sentir otimismo por um povo cubano com base nesta notícia", disse à Reuters o secretário de Comércio Carlos Gutiérrez, um norte-americano de origem cubana. Gutiérrez preside junto com a secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, uma comissão criada pelo presidente George W. Bush para forçar uma mudança de governo na ilha.

A autoridade disse que os EUA esperam ver "ação" por parte do novo governo, mas reiterou que o embargo econômico a Cuba -- que dura quase cinco décadas -- não deve mudar com Raúl no poder.

"O presidente (Bush) foi muito claro. Nossa política não mudou", disse o secretário.

Os EUA só irão modificar a política atual se o governo de Cuba libertar presos políticos e começar uma série de reformas democráticas para dar mais liberdade à população, como liberdade de imprensa e de religião, disse Gutiérrez.

"Queremos que o povo cubano viva com esperança, não com medo", disse.

(Por Adriana Garcia)