October 24, 2008 / 11:47 PM / in 9 years

Paes destaca experiência e Gabeira fala em novo modo de governar

4 Min, DE LEITURA

RIO DE JANEIRO, 24 de outubro (Reuters) - Na despedida do horário eleitoral gratuito na TV, os candidatos à prefeitura do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB) e Fernando Gabeira (PV), tentaram mostrar quem é o mais preparado para governar a cidade.

Enquanto Paes explorou sua carreira política no município, no Estado e no Congresso, Gabeira falou em nova forma de governar, unindo poder público, sociedade e iniciativa privada.

Paes buscou mostrar sua preparação para o cargo através de sua carreira como subprefeito da Barra, secretário municipal de Meio- Ambiente, secretário estadual de Esportes e deputado federal. O senador Pedro Simon PMDB-RS) deu depoimento atestando a "integridade" de Paes no Congresso Nacional.

"Procurei mostrar minhas propostas de governo, explicando claramente o que vou fazer e como vou fazer. São compromissos para ser cobrado depois", disse Paes, pedindo o voto dos cariocas em nome das pessoas que lutam "por um Rio de Janeiro mais humano".

O candidato do PMDB afirmou que o fim do programa eleitoral é uma pausa para o eleitor refletir como o Rio pode ser administrado nos próximos 4 anos.

"Na política não existe mágica. Voto é so o começo. O caminho da verdadeira mudança no Rio de Janeiro passa pela união", destacou Paes, enfatizando o discurso de sua proximidade com os governos estadual e federal.

Depoimento do governador do Rio de Janeiro Sergio Cabral (PMDB) reforçou esse aspecto, dizendo que chegou a hora de a cidade do Rio "estender a mão a parcerias".

O programa de Paes citou a última pesquisa do Datafolha, que o mostra numericamente à frente de Gabeira, mas recorreu aos votos válidos que ampliam sua vantagem.

"PEQUENA REVOLUÇÃO"

Gabeira defendeu em seu último programa o que chamou de "novo modo de governar", combinando ações da prefeitura com a iniciativa privada e a sociedade.

O candidato do PV afirmou que seus acordos políticos não implicarão troca de cargos.

"Ao conseguir o apoio dos partidos políticos obtive um acordo transparente na sociedade. Não haverá ocupação política da máquina administrativa. Isso significa que poderemos escolher os mais competentes na sociedade, que poderemos promover os mais competentes na máquina administrativa e poderemos ocupar os cargos com políticos que sejam honrados e tenham talento específico para a tarefa que vão desenvolver", disse Gabeira, apostando que isso representará uma "pequena revolução" na política brasileira.

Ele voltou a se apresentar como o líder que o Rio de Janeiro precisa e disse que tem buscado os "mais brilhantes quadros do Brasil" para ajudá-lo a transformar a cidade.

Nesse momento, apresentou depoimento do ex-presidente do Banco Central no governo de Fernando Henrique Cardoso, Armínio Fraga, dizendo que "Gabeira é diferente, sério e competente."

Gabeira também se referiu a pesquisas, mas mostrou sondagem do instituto GPP, que tradicionalmente trabalha para o prefeito Cesar Maia, com números diferentes dos mostrados pelo Ibope e Datafolha. Pelo GPP, Gabeira estaria mais de 6 pontos percentuais à frente de Paes.

O candidato encerrou o programa falando de parte de sua trajetória e dizendo ter vencido máquinas e preconceitos.

"Tenho 50 anos de vida pública. Ao longo desse período, já perdi uma parte do meu fígado, do meu estômago, do meu rim no confronto com o governo militar. Ao longo desse período, vivi 10 anos no exílio. Voltei para o Brasil e estou vivendo agora a maior experiência política de toda a minha vida."

Texto de Mair Pena Neto, Edição de Fabio Murakawa

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below