Paes e Gabeira tentam desconstruir um ao outro em debate tenso

sexta-feira, 24 de outubro de 2008 23:24 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 24 de outubro (Reuters) - No último debate antes da eleição do novo prefeito do Rio de Janeiro, os candidatos Eduardo Paes (PMDB) e Fernando Gabeira (PV) insinuaram apoios escusos de parte a parte e travaram um embate tenso em busca dos votos que possam decidir uma eleição tecnicamente empatada.

Pelo sorteio, coube a Gabeira iniciar as perguntas, e ele tentou desconstruir a tese de união com os governos estadual e federal explorada por Paes durante toda a campanha, pedindo que elaborasse a questão.

Depois da resposta de Paes, na qual defendeu o fim do isolamento político do Rio e ressaltou o apoio do governador Sérgio Cabral e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Gabeira disse que o presidente da República e o governador respeitam os candidatos eleitos sejam quem forem.

"O exemplo está em São Paulo. O presidente Lula tem contribuido enormemente com o prefeito (Gilberto) Kassab", disse Gabeira, referindo-se também a Curitiba. O candidato do PV afirmou que além da união com os entes federativos, defende a união com a sociedade e a iniciativa privada.

Paes insistiu no tema, lembrando que o atual prefeito do Rio, Cesar Maia, apóia Gabeira e é o "campeão desses conflitos, dessa incapacidade de se relacionar com os demais níveis de poder. Então não é uma coisa tão óbvia assim".

Gabeira tentou se desvencilhar do apoio de Cesar Maia, interpelando Paes sobre o critério da propaganda que fazia contra ele de que o atual prefeito sairia por uma porta e voltaria por outra.

Paes respondeu que Maia tinha declarado apoio a Gabeira, e destacou que nas alianças que fez para o segundo turno apresentou à populaçao os partidos que o apóiam, insinuando que o verde ocultava seus parceiros. Paes disse ainda que Gabeira ao longo dos governos de Cesar Maia indicou secretários de meio-ambiente e urbanismo. "Portanto, o senhor tem parceria com o prefeito Cesar Maia, inclusive com essa administração do prefeito Cesar Maia", atacaou.

"Eu só encontrei o prefeito Cesar Maia cinco vezes na minha vida", disse Gabeira. "Ele me apóia como milhares de pessoas me apoiam no segundo turno. Não tem sentido uma propaganda mentirosa como essa. Seria o mesmo que eu dizer que o deputado Jorge Babu (PT-RJ), que o apóia, traria a milícia pela porta dos fundos para ocupar a sua prefeitura", acrescentou, acusando o deputado petista de ter perseguido seus correligionários em Campo Grande, na zona oeste.

O deputado estadual Jorge Babu é suspeito de integrar miliícias na zona oeste da cidade.

(Reportagem de Mair Pena Neto, Edição de Fabio Murakawa)