24 de Junho de 2008 / às 16:10 / 9 anos atrás

Negociação da Rio Tinto mostra que "mercado está forte"

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O reajuste de até 96,5 por cento nos preços do minério de ferro alcançado pela mineradora Rio Tinto junto à siderúrgica chinesa Baosteel é positivo para o setor e indica que a demanda continua sustentada, segundo o presidente-executivo da Vale, Roger Agnelli.

“O reajuste mostra que o mercado está forte”, afirmou Agnelli a jornalistas em um intervalo de um evento em São Paulo.

Ele considerou positiva a negociação feita pela Rio Tinto, que na prática acabou com o sistema de “benchmark” (contrato de referência) até então dominante no setor, e afirmou que a Vale deve iniciar em aproximadamente cinco meses as discussões com siderúrgicas para os preços do seu minério para 2009.

Há vários anos, a Vale costumava ditar o ritmo dos reajustes nos valores do minério de ferro, que são definidos tradicionalmente no início de cada exercício.

A mineradora brasileira geralmente fechava o primeiro contrato com algum cliente importante, e os termos eram seguidos pelas outras mineradoras e pelos demais clientes.

A Vale fechou em fevereiro os valores para 2008, estabelecendo reajustes de 65 e 71 por cento para o minério de duas regiões diferentes no Brasil.

As companhias com operações na Austrália, principalmente Rio Tinto e BHP, manifestaram insatisfação com o sistema e disseram que fariam negociações para que o valor do minério australiano fosse maior, já que as siderúrgicas chinesas gastam menos com o frete marítimo na comparação com o produto brasileiro.

Agnelli afirmou, no entanto, que o negócio da Rio Tinto com a Baosteel foi só o primeiro fora do sistema de “benchmark” e que a empresa vai acompanhar o desenrolar de outras negociações que podem ocorrer para avaliar como o sistema de definição de preços será moldado.

A BHP Billiton, por sua vez, informou nesta terça-feira que considerou positiva a negociação da Rio Tinto, mas disse que ela não cobre adequadamente a diferença total no frete marítimo, indicando que vai buscar reajustes ainda maiores.

O presidente-executivo da área de ferrosos da BHP, Marcus Randolph, disse que custa entre 55 e 60 dólares por tonelada a menos para embarcar minério da Austrália para a China, na comparação com os embarques do Brasil.

“O que está acontecendo efetivamente é que nós não estamos sendo pagos pelo nosso produto no mesmo valor que outros estão sendo pagos”, declarou.

Reportagem adicional de James Regan, em Sydney

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below