BOVESPA-Copom e commodities levam índice a 3a queda consecutiva

quinta-feira, 24 de julho de 2008 11:44 BRT
 

SÃO PAULO, 24 de julho (Reuters) - Pressionada pelo mau desempenho de Wall Street, pela queda de ações ligadas a commodities e pelo ajuste a um aperto monetário doméstico acima do que esperava a maioria, a Bolsa de Valores de São Paulo caía ao menor nível em quatro meses nesta quinta-feira.

Às 11h40, o Ibovespa .BVSP cedia 0,3 por cento, para 59.257 pontos. Na mínima, o índice chegou a cair para o menor patamar em quatro meses.

O volume financeiro da bolsa era de 1,5 bilhão de reais.

Segundo operadores, o aumento da Selic de 12,25 para 13,0 por cento ao ano, decidida na noite de quarta-feira, pesava especialmente sobre o setor bancário, em meio à expectativa de desaceleração das operações de crédito e aumento dos níveis de inadimplência.

Em destaque, a ação preferencial do Itaú ITAU4.SA caía 1,2 por cento, a 33,88 reais, enquanto a preferencial do Bradesco BBDC4.SA recuava 0,6 por cento, cotada a 33,82 reais.

"Esse aumento do juro não chegou a ser surpreendente, mas veio acima da previsão majoritária, que era de 0,50 ponto", disse André Hanna, operador da corretora Interfloat.

O mesmo pessimismo era sentido nas ações de empresas varejistas e nas imobiliárias. O papel ordinário da Gafisa (GFSA3.SA: Cotações) tinha baixa de 2,2 por cento, a 26,15 reais.

Os sinais do cenário internacional também não eram nada positivos. Em meio a uma combinação de dados econômicos piores do que as expectativas nos Estados Unidos e leve alta do petróleo, o índice Dow Jones .DJI cedia 0,9 por cento.

Petróleo que, mesmo subindo, não conseguia estancar as ordens de venda sobre as ações preferenciais da Petrobras (PETR4.SA: Cotações), carro-chefe da Bovespa, que caíam 1,1 por cento, para 35,70 reais.   Continuação...