Preço do combustível pode reduzir dias letivos nos EUA

quinta-feira, 24 de julho de 2008 14:37 BRT
 

Por Rebekah Kebede

NOVA YORK (Reuters) - Atingidas pelo aumento no preço dos combustíveis, algumas escolas de regiões rurais nos Estados Unidos estudam adotar uma das medidas concebidas durante a crise do petróleo na década de 1970: reduzir a semana letiva para quatro dias.

A diminuição de um dia na semana escolar é considerada essencial para a preservarção dos programas educacionais e a manutenção do quadro de funcionários em algumas partes do Kentucky, do Novo México e de Minnesota.

"Para os distritos rurais onde os ônibus escolares podem viajar até 161 quilômetros por dia, pode haver uma economia de combustível que vale a pena ser considerada", disse Marc Egan, diretor de assuntos federais da Associação Nacional de Conselhos Escolares.

Egan afirmou que 100 escolas em até 16 estados norte-americanos já haviam adotado a redução na carga horária para economizar em gastos com combustíveis e climatização.

No Condado de White Pine, em Nevada, promoveu a mudança em apenas uma das escolas da região há três anos. Atualmente, com os custos de energia subindo, a medida foi implementada em quatro outras escolas.

"Estamos avaliando a redução em todo o distrito, principalmente por conta dos custos com energia", disse Bob Dolezal, superintendente do distrito escolar do Condado de White Pine, que enfrenta um corte de 14 por cento na receita por conta de uma queda no orçamento público.

As escolas públicas de Maynard, Clara City e Raymond (Maccray), em Minnesota, que optaram pela semana escolar mais curta, esperam reduzir em 10 por cento os custos com transporte, que dispararam nos últimos anos, acompanhando o aumento no preço dos combustíveis.

"A economia de uma semana com quatro dias apenas com o transporte foram de 65 mil dólares", disse o superintendente da Maccray, Greg Schmidt.   Continuação...