Mais de 7 mil cubanos compraram celulares depois da liberação

quinta-feira, 24 de abril de 2008 17:15 BRT
 

HAVANA, 24 de abril (Reuters) - Mais de 7.000 cubanos adquiriram linhas de telefones celulares desde que o presidente Raúl Castro liberou a comercialização em meados de abril, informou na quinta-feira a imprensa oficial.

A medida foi bem recebida pelos cubanos, que fizeram filas pra comprar linhas de telefonia móvel por um pagamento à vista de 120 dólares, valor seis vezes maior que um salário médio.

"Atualmente, existem em Cuba mais de 300.000 usuários de telefonia celular, aos quais se somam os mais de 7.400 que adquiriram linhas desde que a comercialização foi autorizada", disse o vice-presidente da Empresa de Telecomunicações de Cuba ETECSA, Máximo Lafuente, ao diário oficial Juventude Rebelde.

A maioria das linhas de celulares de Cuba não é destinada a telefones móveis, sendo usadas por telefones fixos que aproveitam a tecnologia sem fio para acessar zonas remotas que não contam com o cabeamento tradicional.

Sessenta e oito por cento dos celulares correspondem a esse tipo de serviço pelo qual a ETECSA cobra em pesos cubanos.

"Essa é a razão pela qual a telefonia celular continua com preços relativamente altos, necessários para arrecadar os recursos que se destinam a subvencionar o resto das telecomunicações", disse o diário citando Lafuente.

Apesar da comercialização das linhas ter sido liberada, os celulares são um artigo de luxo em Cuba, onde o Estado subsidia a educação, a saúde e outros serviços, mas paga salários médios de 18 dólares.

O custo de um telefone celular oscila entre 65 e 280 dólares. As chamadas locais de um celular custam entre 39 e 54 centavos de dólar por minuto.

Lafuente disse que a ETECSA, um empreendimento misto com a Telecom Italia, realizou investimentos milionários para ampliar sua capacidade, mas não revelou o montante.

A empresa espera estender a cobertura de telefonia móvel para 1,6 milhão de linhas nos próximos cinco anos.

(Reportagem de Rosa Tania Valdés)