24 de Março de 2008 / às 17:06 / 9 anos atrás

Ministro lança medidas contra dengue no Rio; critica atendimento

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou nesta segunda-feira um pacote de medidas emergenciais para tentar controlar a epidemia de dengue no Rio de Janeiro, que deixou 48 mortos no Estado este ano, e criticou a "fragilidade da rede básica de atendimento".

"A nossa preocupação é ampliarmos pontos de atendimento, para dar rapidez e melhor qualidade. O número de óbitos é completamente acima da expectativa daquilo que seria razoável", disse Temporão a jornalistas, em visita à capital fluminense.

As 48 mortes por dengue confirmadas no Rio de Janeiro nos três primeiros meses de 2008 já superam os 31 óbitos ocorridos no Estado em todo o ano passado.

Desde o início do ano, mais de 32 mil casos de dengue já foram registrados no Estado. Quase 100 mortes foram notificadas como suspeitas de dengue, 48 delas já confirmadas. A capital é o local com o maior número de óbitos, com 30.

As medidas anunciadas por Temporão têm como prioridade melhorar e agilizar o atendimento aos doentes. O pacote prevê o treinamento de agentes de saúde, o envio de novos fumacês (carros usados no combate ao "Aedes aegypti", mosquito transmissor da dengue), e o deslocamento de funcionários de saúde de outros Estados para o Rio, além da contratação temporária de enfermeiros e técnicos.

O Ministério da Saúde também vai disponibilizar 660 pontos de atendimento em todo o Estado, sendo 330 dentro dos próprios hospitais federais.

Sobre a ajuda das Forças Armadas no combate à dengue com o uso de hospitais de campanha, como cogitado pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, na semana passada, Temporão afirmou que a eventual contribuição ainda não foi acertada.

"O papel das Forças Armadas ainda não está definido. Esqueçam o título inicial de hospital de campanha. Nossa proposta é ver como as Forças Armadas poderão adotar tendas ambulatoriais no Rio de Janeiro. Essas tendas seriam móveis e ligadas à dinâmica da doença", disse Temporão.

Nesta segunda-feira, o governador do Rio, Sérgio Cabral, inaugura três tendas de hidratação para o combate à dengue. O gabinete de crise montado pelo ministério para tratar a questão no Rio com o governo do Estado e as Forças Armada tem reunião marcada também para esta segunda, com a presença de um representante da prefeitura da capital.

O ministro considerou a situação no Rio "difícil e grave", mas disse que espera que esteja controlada até o início de abril.

"A doença tem uma dinâmica, os dados apontam que estaríamos no auge do processo, e uma reversão seria possível nas próximas semanas", afirmou.

Temporão negou uma acusação feita pelo prefeito do Rio, Cesar Maia, de que o governo federal não teria feito o repasse prometido de verbas para a saúde do município.

"Todos os recursos necessários, informação, treinamento, tudo que era possível foi feito. A única capital com epidemia é o Rio de Janeiro, no resto do país há um declínio da doença. Isso é ridículo", afirmou.

Por Rodrigo Viga Gaier, com reportagem de Pedro Fonseca

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below