Para BNDES, déficit em conta corrente é "fator de atenção"

terça-feira, 24 de junho de 2008 14:42 BRT
 

SÃO PAULO, 24 de junho (Reuters) - O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, afirmou nesta terça-feira que o déficit em conta corrente do país "é um fator de atenção" para o governo.

Coutinho ressaltou que "um dos fatores da política de desenvolvimento é estimular exportações para podermos continuar importando, especialmente máquinas e equipamentos que garantam o ciclo de investimentos, sem produzir um déficit de conta corrente alto demais".

Segundo ele, "não é prudente admitir um déficit muito superior a 1,5 por cento do PIB", índice que ele explicou ser "uma medida mais ou menos aceita" mundialmente.

"Países que permitiram um déficit muito acima disso, de 4 ou 5 por cento do PIB, vulnerabilizaram de maneira muito rápida suas contas e se tornaram grandes devedores."

O Banco Central elevou na véspera sua previsão para o déficit em conta corrente deste ano a 21 bilhões de dólares --que seria o pior resultado desde 2001.

Em 12 meses até maio, o déficit ficou em 1,11 por cento do Produto Interno Bruto.

Coutinho ponderou que o Brasil "felizmente é credor internacional e tem reservas próximas a 200 bilhões de dólares". "Mas isso não significa que a gente pode brincar e deixar vulnerável a economia. Temos tempo e condições de controlar esse processo", acrescentou.

Nesse processo, o BNDES pode apoiar a melhoria da competitividade e aumentar a capacidade industrial, disse.

"Podemos e devemos exportar muito mais produtos agrícolas, mas também precisamos exportar mais produtos industrializados. Precisamos dar uma atenção muito grande à capacidade da indústria para que ela não perca o pé", afirmou.

(Por Taís Fuoco; Edição de Daniela Machado)