Dólar fecha em baixa, mas mercado resiste a romper R$1,60

terça-feira, 24 de junho de 2008 16:25 BRT
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO (Reuters) - A entrada de recursos no país favoreceu a queda do dólar nesta terça-feira, mas a moeda norte-americano respeitou o patamar de 1,60 real com a cautela de investidores antes da reunião do Federal Reserve e a resistência de parte do mercado.

A divisa terminou o dia a 1,603 real, em baixa de 0,62 por cento. É a menor cotação de fechamento desde 20 de janeiro de 1999. A queda acumulada no mês é de 1,54 por cento.

De acordo com o operador de uma corretora nacional, que pediu para não ser identificado, o principal motivo para a baixa do dólar foi o ingresso de capitais no país em operações comerciais. Ele, no entanto, não conseguiu identificar o volume dessas transações.

O país vem registrando entrada líquida de dólares em junho. De acordo com dados divulgados na véspera pelo Banco Central, ingressaram no país neste mês 1,653 bilhão de dólares até o dia 19.

Um operador de outra corretora nacional não identificou alguma transação de volume atípico, mas confirmou que o viés do mercado tem sido de baixa nas últimas sessões. "O mercado anda bem vendedor", disse.

Ajudou também a recuperação das bolsas de valores durante uma parte da tarde. A alta das ações de bancos nos Estados Unidos fez Wall Street anular a queda do começo do dia e teve reflexos também na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

A tendência de queda do dólar no Brasil, no entanto, parou na barreira de 1,600 real. "Quando chega lá, aparece comprador ou alguém defendendo posição. A qualquer momento ele pode descer a ladeira", disse um operador.

O patamar pode ser rompido nesta quarta-feira, quando o Federal Reserve anuncia a aguardada decisão sobre o juro nos Estados Unidos. A expectativa da maior parte do mercado é de manutenção da taxa nos atuais 2,0 por cento.

Mas se o Fed sinalizar um possível aperto monetário em breve o efeito sobre o câmbio pode ser o inverso.