Alimentos colaboram mais uma vez e IPCA-15 desacelera

quarta-feira, 24 de outubro de 2007 10:23 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Os preços dos alimentos tiveram mais uma alta comportada em outubro, o que contribuiu para que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 ( IPCA-15) subisse 0,24 por cento no mês, a segunda desaceleração consecutiva do indicador, mostraram dados divulgados nesta quarta-feira.

De agosto para setembro, o índice já havia desacelerado de 0,42 por cento para 0,29 por cento, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A desaceleração do índice já era esperada por economistas, mas os analistas consultados pela Reuters esperavam um recuo mais acentuado.

De acordo com as projeções de 17 instituições, o IPCA-15 deveria ter recuado para alta de 0,21 por cento neste mês. Os prognósticos ficaram na faixa de 0,20 a 0,22 por cento de alta.

"O grupo Alimentação e bebidas passou de 0,87 por cento, em setembro, para 0,54 por cento, no mês e outubro, mantendo-se como o principal responsável pela redução no ritmo de crescimento do IPCA-15", informou o IBGE em comunicado.

Nos últimos 12 meses, o indicador acumula alta de 4,15 por cento. No ano, o avanço é de 3,40 por cento.

O IPCA-15 é tido como uma prévia do IPCA, o índice que serve de referência para a meta de inflação do governo. A metodologia de cálculo é a mesma, apurando a variação de preços para famílias com renda de até 40 salários mínimos em 11 regiões metropolitanas do país.

A diferença está no período de coleta, já que o IPCA mede o mês calendário.

(Por Renato Andrade)