BOVESPA-Petrobras sustenta índice, mas mercado monitora Wall St

quarta-feira, 24 de setembro de 2008 11:47 BRT
 

SÃO PAULO, 24 de setembro (Reuters) - Após duas quedas fortes, a Bolsa de Valores de São Paulo esboçava recuperação apoiada em Petrobras, mas os negócios seguiam vulneráveis ao nervosismo de Wall Street diante das discussões pela aprovação do plano dos Estados Unidos para socorrer o setor financeiro.

Às 11h43, o Ibovespa .BVSP apontava elevação de 2,09 por cento, aos 50.630 pontos. O giro financeiro do pregão era de 1,2 bilhão de reais.

Os investidores começaram o dia animados com a notícia de que o megainvestidor Warren Buffetf vai comprar 5 bilhões de dólares em ações do banco de investimentos Goldman Sachs.

"O Buffet está dando uma de salvador da pátria. Anima, ma non troppo", disse o economista-chefe do banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves.

Por isso, logo em seguida as bolsas de Nova York voltaram a se concentrar no tema que mais preocupa os investidores: a proposta de socorro de 700 bilhões de dólares do Tesouro norte-americano para evitar um colapso no sistema financeiro.

Especialmente depois de o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, voltar à carga, com declarações em prol de uma aprovação rápida da proposta.

Entre os principais índices de Wall Street, o Dow Jones .DJI tinha alta de 0,3 por cento.

Na Bovespa, o fiel da balança era Petrobras (PETR4.SA: Cotações), carro-chefe do Ibovespa, que subia 4,8 por cento, acompanhando a evolução do preço do barril de petróleo CLc1 para a faixa dos 108 dólares.

Outro destaque positivo da manhã era AmBev AMBV4.SA, que subia 2,7 por cento, para 102,73 reais, depois que o banco de investimentos Credit Suisse elevou, de neutra para acima da média do mercado, a recomendação para os papéis da fabricante de bebidas.

Na mão contrária, Cesp (CESP6.SA: Cotações) liderava a ponta negativa do Ibovespa, recuando 4,1 por cento, a 15,35 reais. Varejistas, construtoras e outras companhias ligadas ao consumo doméstico reforçavam essa coluna, sob a batuta de Lojas Americanas (LAME4.SA: Cotações), com recuo de 2,3 por cento, para 7,81 reais.

(Reportagem de Aluísio Alves e reportagem adicional de Filipe Pacheco; Edição de Alexandre Caverni)