Analistas vêem alta de 16% na geração de caixa da InBev em 2007

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008 13:19 BRT
 

BRUXELAS, 25 de fevereiro (Reuters) - A InBev INTB.BR deve divulgar na quinta-feira uma alta de 16 por cento na geração de caixa em 2007, quando analistas vão estar atentos aos comentários da empresa sobre o efeito da alta custos com matérias-primas no resultado da segunda maior cervejaria do mundo em volume.

A InBev, que decepcionou investidores pela primeira vez em 10 trimestres no período de julho a setembro, deve divulgar um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) de 4,9 bilhões de euros acumulado em 2007, segundo pesquisa da Reuters com 15 analistas.

Depois de um terceiro trimestre fraco, investidores querem ver uma boa série de números da cervejaria, formada pela união da brasileira AmBev AMBV4.SA com a belga Interbrew.

Sólidas vendas no importante mercado brasileiro, fortes números da subsidiária canadense Labatt e no Leste Europeu, além de melhora no desempenho na Bélgica e na Alemanha, são esperados pelos analistas.

Em meio a uma consolidação no setor, há repetidos rumores de uma possível fusão da InBev com a norte-americana Anheuser-Busch (BUD.N: Cotações). A InBev --superada pela SABMiller SAB.L no ano passado no posto de maior cervejaria do mundo em volume-- não comentou o assunto até agora e não deve mudar essa posição na divulgação do resultado, na quinta-feira.

Analistas esperam, em média, que a InBev divulgue receita de 14,5 bilhões de euros em 2007, expansão de quase 11 por cento sobre o ano anterior. O lucro líquido estimado é de 1,79 bilhão de euros, 17,4 por cento acima do ano anterior.

(Por Philip Blenkinsop e Tineke van der Struik)