Bolsas e balança comercial alimentam alta do dólar

segunda-feira, 25 de agosto de 2008 16:32 BRT
 

Por Fabio Gehrke

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta nesta segunda-feira, seguindo o pessimismo das principais bolsas de valores mundiais e os dados semanais da balança comercial. A moeda norte-americana subiu 0,25 por cento, para 1,633 real.

A divisa chegou a recuar durante a manhã, mas a forte deterioração dos principais índices acionários impulsionou as cotações.

No final da tarde, a Bovespa caía quase 2 por cento e o risco-país subia 7 pontos-básicos. O Dow Jones perdia pouco mais de 2 por cento com temores sobre o impacto da crise de crédito sobre a economia.

"O mercado está acompanhando os problemas lá de fora. Internamente, está bastante tranquilo", afirmou Sérgio Falcão, consultor da SLW Corretora.

Ele ressaltou a baixa volatilidade do mercado de câmbio --apesar da amplitude da queda das bolsas, o dólar não teve força para operar acima de 1,635 real.

Segundo o departamento de câmbio da corretora Concórdia, o movimento desta sessão se deveu mais a uma reação aos dados da balança comercial que revelaram um déficit na última semana.

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior divulgou um saldo comercial negativo de 840 milhões de dólares na quarta semana de agosto.

"O dado reacende as preocupações com a balança. O impacto negativo é a velocidade (da formação deste déficit)", afirmou a corretora.

O departamento de câmbio da Concórdia também ressaltou que o dólar encontrou um piso no nível de 1,60 real, e que deve se manter flutuando entre 1,61 e 1,63 real. Mas com o fraco volume de negócios, "o mercado fica mais sensível e qualquer notícia" pode afetar as cotações.

Na última hora de negócio, o Banco Central realizou um leilão de compra de dólares no mercado à vista e definiu taxa de corte a 1,6334 real.