Lula diz que alta de alimentos é passageira

sexta-feira, 25 de abril de 2008 13:55 BRT
 

Por Carmen Munari

CAMPINAS, São Paulo (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira que a alta no preço dos alimentos é passageira e não tem relação com a produção de biocombustíveis.

"A produção de alimentos não foi proporcional à demanda, mas isso não pode ser visto como coisa perigosa, é passageira", afirmou Lula em discurso durante a assinatura do início de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em Campinas.

O presidente deu como exemplo o feijão no Paraná, mencionando que a seca provocou uma queda de 29 por cento na colheita. "Mas todo mundo sabe que feijão se colhe em 90 dias", acrescentou, lembrando que este não é o caso do trigo, amplamente importado pelo Brasil.

Segundo o presidente, uma parte do cereal vem da Argentina, que também enfrenta problemas.

"Nós vamos tomar uma posição para produzir mais trigo no Brasil e depender menos da importação de trigo de outros países", sem detalhar as medidas.

Segundo dados do IBGE, o Brasil deve produzir 3,8 milhões de toneladas de trigo em 2008, contra 4,03 milhões de toneladas colhidas em 2007. O país consome por volta de 10 milhões de toneladas de trigo anualmente.

Lula voltou a declarar que o comportamento dos preços dos produtos é decorrente do crescimento no consumo de alimentos, principalmente nos países mais pobres.

Para o presidente, as críticas de países ricos e órgãos multilaterais responsabilizando os biocombustíveis pelo avanço nos preços dos alimentos é decorrente do temor de que o Brasil se transforme em forte produtor de álcool, petróleo e comida.   Continuação...

 
<p>Lula diz que alta de alimentos &eacute; passageira. O presidente Luiz In&aacute;cio Lula da Silva disse nesta sexta-feira que a alta no pre&ccedil;o dos alimentos &eacute; passageira e n&atilde;o tem rela&ccedil;&atilde;o com a produ&ccedil;&atilde;o de biocombust&iacute;veis. 25 de abril. Photo by Jamil Bittar</p>