Copom mostra que prudência pautará próximas decisões

quinta-feira, 25 de outubro de 2007 10:12 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central mostrou nesta quinta-feira que prudência e cautela pautarão os próximos passos da política de juro do país.

A preocupação do Comitê com os riscos para a inflação brasileira foi a principal justificativa dada pelo grupo para a interrupção do ciclo de dois anos de cortes da taxa básica de juro na semana passada, de acordo com a ata da reunião divulgada nesta manhã.

E os diretores do BC deixaram claro que o monitoramento da evolução desses riscos será feito de maneira minuciosa, para determinar quais serão os próximos passos da política monetária.

Uma das preocupações do BC é a defasagem entre os cortes de juro já promovidos e seus efeitos sobre a economia. O forte ritmo de crescimento da atividade também gera atenção por parte dos diretores do BC.

"Diante das incertezas associadas ao mecanismo de transmissão da política monetária e ao ritmo de crescimento prospectivo da oferta e demanda agregadas, o Copom resolveu fazer uma pausa no processo de flexibilização da política monetária", afirmaram os diretores, de acordo com o documento.

A meta da taxa Selic foi mantida em 11,25 por cento ao ano, depois de ter sido cortada 18 vezes ao longo dos últimos dois anos. Ao longo desse processo, a taxa foi reduzida em 8,5 pontos percentuais.

Segundo o Comitê, a pausa visa "preservar as conquistas no combate à inflação" e assegurar que o crescimento da atividade econômica no país se dê em bases sólidas.

Com esse objetivo e preocupações em mente, o Copom deixou claro que a "prudência passa a ter papel mais importante" e reforçou que se manterá "especialmente vigilante" para evitar que incertezas de curto prazo comprometam o cenário dos próximos meses.

(Por Renato Andrade)