JURO-Em dia cheio, taxas avançam após aceleração do IPCA-15

quarta-feira, 25 de junho de 2008 16:15 BRT
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 25 de junho (Reuters) - A maioria das projeções de juros fechou em alta nesta quarta-feira, reagindo à aceleração dos preços na prévia do índice oficial de inflação.

O pregão foi movimentado também pela manutenção do juro nos Estados Unidos e pelo relatório trimestral de inflação do Banco Central no Brasil.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) janeiro de 2009 subiu de 13,20 por cento para 13,22 por cento, e o DI janeiro de 2010 avançou de 14,75 por cento para 14,80 por cento. Essas taxas tiveram os maiores giros financeiros deste pregão.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), tido como uma prévia do índice que baliza as metas de inflação do governo, subiu 0,90 por cento em junho, acima da previsão de 0,78 por cento feita por economistas.

"O IPCA-15 mostrou que o processo de inflação está se tornando mais difundido e indica que o Copom (Comitê de Política Monetária do BC) ainda tem muito a fazer para trazer a inflação de volta para a meta", disseram economistas do banco de investimento Goldman Sachs em nota.

A apreensão com os preços também foi expressada pelo Banco Central no relatório trimestral de inflação. A autoridade monetária elevou para 6 por cento a previsão para o IPCA no ano e considerou que há 25 por cento de chance de que a alta dos preços exceda o teto da meta estipulada pelo governo --o máximo aceito é 6,5 por cento.

"A demanda doméstica cresce a um ritmo bastante superior ao ritmo do produto", disse Mário Mesquita, diretor de Política Econômica do BC, em entrevista à imprensa.

Mas Carlos Cintra, gerente de renda fixa do Banco Prosper, no Rio de Janeiro, comentou que a pressão sobre o mercado de juros futuros foi aliviada pela queda do dólar. A moeda norte-americana fechou abaixo de 1,60 real pela primeira vez desde 20 de janeiro de 1999.   Continuação...