BOVESPA-Investidor ignora NY positivo e leva índice a 4a queda

sexta-feira, 25 de julho de 2008 11:42 BRT
 

SÃO PAULO, 25 de julho (Reuters) - Uma nova onda de vendas sobre ações de empresas ligadas a commodities conduzia a Bolsa de Valores de São Paulo para a quarta queda seguida nesta sexta-feira, na contramão de Wall Street.

Às 11h41, o Ibovespa .BVSP, referencial mais importante da bolsa paulista, caía 1,01 por cento, para 56.856 pontos. O volume financeiro de negócios chegava a 1,5 bilhão de reais.

Segundo profissionais do mercado, uma nova rodada de queda nas cotações de produtos como petróleo e metais incentivava os investidores, especialmente os estrangeiros, a continuar vendendo ações de empresas domésticas ligadas a esses setores, que tinham 9 dos 10 piores desempenhos do Ibovespa.

No setor de mineração e siderurgia, a ação preferencial da Vale VALE5.SA caía 2,63 por cento, para 37 reais, enquanto a preferencial da Usiminas USIM5.SA perdia 2,97 por cento, valendo 63,12 reais.

Atenta à nova derrocada na cotação do petróleo --o barril CLc1 era negociado na faixa dos 123 dólares--, a ação preferencial da Petrobras (PETR4.SA: Cotações) tombava 1,97 por cento, para 33,82 reais.

"Apesar da forte queda recente, as ações de commodities ainda acumulam valorização em doze meses. Com expectativa de desaceleração da economia internacional, a ordem do investidor estrangeiro continua ser realizar lucro", disse Hamilton Moreira, analista senior do BB Investimentos.

Nos 22 primeiros dias de julho, a saída líquida de capital externo da Bovespa somou 6,5 bilhões de reais.

Nesse contexto, nem a recuperação das bolsas de Wall Street, no rastro de indicadores positivos da economia dos Estados Unidos, como confiança do consumidor e vendas de moradias novas, dava sustentação às ações domésticas.

O contraponto vinha de papéis de empresas áereas e de companhias ligadas ao consumo doméstico. A ação ordinária da Natura NATU3.SA era a melhor do índice, subindo 3,18 por cento, a 18,49 reais, seguida pela ordinária da Lojas Renner LREN3.SA, que avançava 2,28 por cento, para 31,40 reais.

(Reportagem de Aluísio Alves; Edição de Vanessa Stelzer)